Pular para o conteúdo principal

A Poesia do Submundo

A poética de Josane Peer não nasceu com a escrita, nasceu no canto, na música. Poucos são os letristas de canções que merecem o epitáfio de poeta, Peer merece. Autor de verbos cortantes e imagens aterradoras sobre nossa cambaleante humanidade Peer se insere no contexto máximo de quem faz da arte confissão e fé de ser.
É quase impossível separar Peer da música ou literatura, sabemos o quanto é a música sua paixão primeira, no entanto a palavra sempre lhe foi mais generosa; como foi também com Renato Russo, Jim Morrison, Cazuza ou John Lennon.
O fazer poético de Josane Peer se insere na bem sucedida mistura entre o Romantismo e Simbolismo o que não raro nos oferece uma deliciosa seleta de versos repletos de imagens e mergulhos profundos na alma humana.
Cada verso de Peer é urbanamente hermético, não é uma leitura fácil sua escrita, embora seja um sujeito forjado na essência da cultura pop, Peer é dado os hermetismos clássicos. Pop sim, mas impiedosamente clássico no trato com a língua portuguesa.
Tive o prazer de conhecê-lo e conviver com ele durante anos, pude acompanhar seu incansável trabalho artístico o qual a Bahia não soube reconhecer, pude velo nas escadarias do Centro Educacional Teodoro Sampaio, em Santo Amaro-Ba, compondo instantaneamente inúmeras canções, como se estivesse em profundo transe artístico. Seu talento era inegável tanto quanto seu sofrimento por não se reconhecido ou ao menos respeitado como artista.
É com alegria que vivo esses novos tempos em que as tecnologias felicitam a produção artística de inúmeros músicos e escritores, com alegria vejo o império dos “donos” da cultura desabar.
Um novo mapa cultural vai aos poucos se desenhando no país, novas e antigas vozes antes ignoradas ganham as ruas sem o carimbo das poderosas corporações empresariais, escritores publicam e são lidos sem constar nas listas pré-fabricas “dos mais lidos da semana”, é com alegria que tudo isso eu presencio.
Cultura e Educação andam juntas, mas no nosso país no qual políticas públicas são remendos sociais para maquiar a degradação do próprio Estado Brasileiro e milhões de pessoas são mantidas por esse mesmo Estado artificialmente na ignorância pelos processos de desarticulação da escola pública, publicar um livro é algo a ser celebrado.
Celebremos então Josane Peer por ter vivo sua vida em favor da arte e nunca ter machucado ninguém, celebremos suas palavras, palavras coloridas quando falam de juventude, amizade, infância, sonho e alma; palavras cinzas quando falam de injustiça, dor, tristeza, solidão e política.
Celebro a você meu amigo poeta da urbanidade, da busca constante por si mesmo, pelo amor, pelo submundo que tantas vezes juntos andamos em busca de paz e respeito, celebro tua vida que é arte e construção honesta de uma Utopia a qual teu canto nunca desistiu de buscar.
Poeta a navegar entre os sonhos da juventude e o mundo impiedoso da maturidade, da concreta realidade ao lúdico, da não aceitação da derrota a solidão longe da família, da voz acidamente delirante a compaixão pelo próximo, da palavra em favor da vida a busca pela tão sonhada paz de espírito.
Das guitarras distorcidas a sempre e necessária rebeldia, do fazer solidário de poemas repletos de delicados encontros consigo ao mundo desejado. Assim se faz o letrista, poeta e inegavelmente artista passageiro do tempo: Josane Peer.


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…