Pular para o conteúdo principal

“Dançando a valsa coma Maricota”

Camões escreveu em um dos seus sonetos  versos que até hoje me causa inquietação e curiosidade: “estou acordado e todos dormem/todos dormem”. Onde o poeta Camões estava quando escreveu esses versos e porque era tomado pela insônia? O que o impedia de dormir? Talvez  uma batalha a ser travada ou sentindo a dor de uma guerra perdida, já que era soldado, talvez uma paixão ausente ou não correspondida?
A insônia é uma praga, é o estar sem ser, um tempo vago e sem razão, ter insônia é ser testemunha de nada, é a angústia de olhar sua rua e ela morta a apavorar os olhos. Insônia causada por remédios, por alguma angústia, pela sensação de perda ou pela busca frustrada.
Seja lá como for, ficar acordado quando todos dormem é um pesadelo. Não consigo sentir nada além do que pavor quando a insônia vem me visitar e prega meus olhos abertos com o desconforto de ficar acordado quando o que se mais quer é dormir.
Muitos escritores já escreveram sobre a insônia, médicos receitam soníferos, algumas pessoas rezam outras bebem, outras como eu, busca nas estrelas contar o tempo e tentar dormir no cansaço dos números e todos nós unidos por uma praga que é tudo e é nada, dona do corpo e senhora do torturado espírito.
Quando eu tinha dezoito anos de idade tive meu primeiro emprego de carteira assinada, jogava lenha em uma caldeira na IMPASA, Indústria de papéis Santo Amaro. Trabalhava de turno, às vezes saía de casa à meia noite e só voltava às seis da manhã, no horário em que todos dormiam eu lutava para ficar acordado, nesse tempo nem sabia o que significava a palavra insônia, para não dormir sentava perto de um exaustor, era um barulho infernal, ele me ajudava a ficar alerta em um lugar que tudo era perigo.
O exaustor me mantinha acordado, dele guardo uns problemas de saúde que nunca me livrei, vinte anos depois tenho nos ouvidos zumbidos que me acompanham vinte quatro horas seguidas e obviamente no silêncio da madrugada fica mais acentuado, insônia para mim além de tudo é ter a sensação que nos meus ouvidos há uma eterna passagem de som entre agudos e agudíssimos sinais de áudio.
Há quem fale com plantas, com os próprios botões, há quem diga falar com os mortos, beba chá de erva cidreira (nome lindo: cidreira) tudo penitência para a fuga da insônia, eu evito uma praga maior, dormir durante o dia, e à noite em plena crise rezo a São Longuinho que mande para mim três minutos de sono, uma cartilha do abc, linda moreninha, dois discos do Sérgio Reis, um pão com leite moça e alguém que cante a maravilhosa cantiga de ninar aos meus ouvidos: “lá vem seu Juca/ da perna torna/dançando/ a valsa com a Maricota”

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…