Pular para o conteúdo principal

Selton Mello no papel principal

Sempre compro discos antigos no Sebo do Dinho, aqueles discos tipo: Década explosiva, músicas italianas dos anos de 1960 e coisas afins. Gosto do som envelhecido e das melodias tristes e não vejo mau gosto em nada disso.
Tornei-me obsessivamente caseiro, e quase tudo me chega pelos livros e TV. Mas estou longe de ser um ermitão, sou do tempo e isso me leva longe, mesmo que às vezes meu longe seja virar de um lado a outro na cama.
Não tenho uma vida chata, tenho uma vida que quis para mim, não julgo pessoa alguma com a minha ética, minhas responsabilidades são minhas e não jogo sementes em pedra bruta, tão pouco acredito que o mal vem das estrelas, como disse Júlio Cesar: o problema não está nas estrelas Brutus.
Gosto de ler Martha Medeiros e Lya Luft, são pessoas interessantes, sabem de certa maneira e a maneira delas trazer dignidade ao óbvio. Erudição às vezes cansa, como me cansa ler livros que sempre trazem as mesma citações, os mesmos nomes e os mesmos dramas.
Dezembro sempre é um mês em que todo mundo parece ter bebido da água abençoada de Madre Tereza, todo mundo rindo e feliz, mas nenhum dia de dezembro para mim é mais insuportável do que o dia 31, sair na rua e ser abraçado por pessoas que o ano todo foi indiferente a minha existência é dose.
Tantas coisas são dose, são azedas, são sem muita razão de ser ou sentir que acabamos nos acostumando com tudo isso, nem dor e nem alegria às vezes parecem ser as mesmas coisas e gritarem um só sentido.
Gostaria de ver minha vida contada em um filme, no papel principal: Selton Mello, colaboraria apenas com a seleção dos outros atores e atrizes para interpretaram minha turma. Seria maravilhoso, o roteirista e o Selton aqui em Santo Amaro ouvindo os amigos previamente selecionados, catalogando as histórias, compondo a trama.
Da viagem de trem que durou uma semana entre Mundo Novo e Santo Amaro (tinha três anos de idade na época) ao Colégio do Teodoro Sampaio e todas as tramas e confusões em que me meti nos anos de 1990, até a eleição de Lula e o desencanto com tudo que é vermelho.
Delirar é bom, e a voz do Selton Mello e suas interpretações em cinema me fazem fantasiar muitas coisas, uma delas é ele ser eu, e por que não? Deixa eu ganhar a Mega da virada, quem aposta sempre alcança.
Quando desligo o relógio parece que algo dentro de mim também fica mais lento, olho para o teto, não há o tik tak do despertador, se fumasse acenderia um cigarro com gosto de menta.
Estou meio pálido, tenho andado pouco ao sol, mas o sol de dezembro da Bahia não perdoa ninguém, tenho cheiro de maresia e sal no corpo, corpo temperado para ser devorado como um peixe retirado das profundezas do mar, sou peixe, sou de peixes e durmo ao relento do teu bem querer.
Notei que estou rabiscando pouco, escrevo direto no computador, mas não consigo ler muito no computador, a luz da tela me deixa tonto, minha cama parece uma biblioteca comunitária, adora biscoitos Fortaleza, são tão crocantes, meus livros ficam cheios de pedaços de biscoitos, mas antes de guardá-los eu limpo tudo.
 Meu problema é a paixão, vivo como se fosse um eterno apaixonado, tudo que olho olho com excessiva paixão. Isso não é bom porque fragiliza, deixa o coração refém de qualquer poeira soprada entre risos e falsidades.
Hora de planejar a semana, para você uma semana de paz e alegria e amores sempre, beijos e até sempre.




Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…