Pular para o conteúdo principal

Selton Mello no papel principal

Sempre compro discos antigos no Sebo do Dinho, aqueles discos tipo: Década explosiva, músicas italianas dos anos de 1960 e coisas afins. Gosto do som envelhecido e das melodias tristes e não vejo mau gosto em nada disso.
Tornei-me obsessivamente caseiro, e quase tudo me chega pelos livros e TV. Mas estou longe de ser um ermitão, sou do tempo e isso me leva longe, mesmo que às vezes meu longe seja virar de um lado a outro na cama.
Não tenho uma vida chata, tenho uma vida que quis para mim, não julgo pessoa alguma com a minha ética, minhas responsabilidades são minhas e não jogo sementes em pedra bruta, tão pouco acredito que o mal vem das estrelas, como disse Júlio Cesar: o problema não está nas estrelas Brutus.
Gosto de ler Martha Medeiros e Lya Luft, são pessoas interessantes, sabem de certa maneira e a maneira delas trazer dignidade ao óbvio. Erudição às vezes cansa, como me cansa ler livros que sempre trazem as mesma citações, os mesmos nomes e os mesmos dramas.
Dezembro sempre é um mês em que todo mundo parece ter bebido da água abençoada de Madre Tereza, todo mundo rindo e feliz, mas nenhum dia de dezembro para mim é mais insuportável do que o dia 31, sair na rua e ser abraçado por pessoas que o ano todo foi indiferente a minha existência é dose.
Tantas coisas são dose, são azedas, são sem muita razão de ser ou sentir que acabamos nos acostumando com tudo isso, nem dor e nem alegria às vezes parecem ser as mesmas coisas e gritarem um só sentido.
Gostaria de ver minha vida contada em um filme, no papel principal: Selton Mello, colaboraria apenas com a seleção dos outros atores e atrizes para interpretaram minha turma. Seria maravilhoso, o roteirista e o Selton aqui em Santo Amaro ouvindo os amigos previamente selecionados, catalogando as histórias, compondo a trama.
Da viagem de trem que durou uma semana entre Mundo Novo e Santo Amaro (tinha três anos de idade na época) ao Colégio do Teodoro Sampaio e todas as tramas e confusões em que me meti nos anos de 1990, até a eleição de Lula e o desencanto com tudo que é vermelho.
Delirar é bom, e a voz do Selton Mello e suas interpretações em cinema me fazem fantasiar muitas coisas, uma delas é ele ser eu, e por que não? Deixa eu ganhar a Mega da virada, quem aposta sempre alcança.
Quando desligo o relógio parece que algo dentro de mim também fica mais lento, olho para o teto, não há o tik tak do despertador, se fumasse acenderia um cigarro com gosto de menta.
Estou meio pálido, tenho andado pouco ao sol, mas o sol de dezembro da Bahia não perdoa ninguém, tenho cheiro de maresia e sal no corpo, corpo temperado para ser devorado como um peixe retirado das profundezas do mar, sou peixe, sou de peixes e durmo ao relento do teu bem querer.
Notei que estou rabiscando pouco, escrevo direto no computador, mas não consigo ler muito no computador, a luz da tela me deixa tonto, minha cama parece uma biblioteca comunitária, adora biscoitos Fortaleza, são tão crocantes, meus livros ficam cheios de pedaços de biscoitos, mas antes de guardá-los eu limpo tudo.
 Meu problema é a paixão, vivo como se fosse um eterno apaixonado, tudo que olho olho com excessiva paixão. Isso não é bom porque fragiliza, deixa o coração refém de qualquer poeira soprada entre risos e falsidades.
Hora de planejar a semana, para você uma semana de paz e alegria e amores sempre, beijos e até sempre.




Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…