Pular para o conteúdo principal

Sangue menstrual

Cidades sem alternativas, tédio, cansaço social, futuro cinza e o presente amargo abre as portas para todos os acasos e a droga é um desses acasos. Marasmo cultural, aceitação pacífica do presente sem vida, acostumar-se com o que se tem, o mal como senhor absoluto das relações, a sensação de que não adianta lutar, que o vento contra é mais poderoso que os desejos de mudança, tudo isso pavimenta o caminho para o caos social.
Dirigentes zumbizados pelo poder, servem ao poder como quem transa com cadáveres, o medo de falar, o silêncio como carta da cidadania, a cidadania sem cidadãos ou cidadãs, o olhar cabisbaixo, juventude envelhecida, juventude sem juventude, tempo de cólera, ser o que o outro faz de si, negar a si mesmo em nome da trágica relação: vantagem pessoal x crime organizado.
Nada importa: o sangue no dinheiro, a morte nos sorrisos. Nada importa, importa ser, mesmo que seja um ser sem substância humana.
Vida em sempre escuridão, sexo previsível, amores descartados, vandalismo emocional, regras matemáticas nos sorrisos, amizades sem razão, cartelização das emoções, deuses sintéticos, masturbação sociológica, governos dementes, povo conivente.
Dores, suores, trambiques, mortes, miséria gerando fortunas, corpos de miseráveis como adubos das fortunas dos magistrados do crime. Droga, droga e silêncio, perdas não sentida, vida absorvente menstrual, sangue menstrual nos lábios da menina violentada na esquina, desejos e supérfluo, vida supérflua.
Extermínio, beijos e cancro, bom coração em pus, a política do “tudo é lindo/ tudo é maravilhoso”, espermas nas mãos, útero seco, uva passa nos olhos, gozo seco, deus e o diabo rindo de nós no paraíso, gilete no coração. Tédio, alegria, sabão em pó.
Crime e evangelho, meu coração pede calma, minha alma pede guerra, chiclete, música, masturbação, desejo de você, cama, prego na vagina, imagens da miséria, não utopia, não realidade, vivo, como arroz e macarrão, vão se foder o congresso e todos os seus gestores, não quero para mim essa alegria palafita.
Sou sertões e filmes medievais. Um perfume no ar nos celebra, apesar de tudo, nossa vida. Mãos dadas, o presente nos chama, o presente nos ri, o presente nos diz o quanto somos nós o sangue menstrual que não desce, o útero que nos traz vida.




Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…