Pular para o conteúdo principal

A sensação como realidade

Ligo a TV e ouço jornalistas falando em índices que colocam o país como uma quase maravilha do mundo, com seus problemas minorados, com um povo sorridente e feliz com nossa entrada no clube dos que mandam no mundo. Sempre me pergunto: de que país estão falando? Do Brasil que vivo não é, tenho certeza.
De alguma maneira enquanto o Brasil real enferruja ou apodrece aos nossos olhos, o Brasil midiático gestado pelo condão mágico da falácia publicitária oficial encanta a todos. Estabeleceu-se a “sensação” como programa de governo.
Sensação de felicidade, de que tudo vai bem. A sensação é de que este agora sempre foi melhor que qualquer outro e que dando continuidade a essa forma neo-socialista e extremamente perigosa podemos ser mais felizes ainda do que a sensação do que somos agora.
Quando se consegue concretizar ambições, atingir metas, viver o que se ama e saciar a sede de tantas paixões, vive-se sensação real de ser feliz, realizado e pronto para novas buscas.
O que acontece hoje é que troca-se todas as realizações pelas sensações, fica-se motivado e “realizado” apenas por se sentir capaz de ter ou na possibilidade de ter sem nunca conquistar absolutamente nada.
De repente a vida foi transformada em uma grande televisão de cachorro, o cachorro que para enfrente a padaria, saliva, se emociona com o frango girando, assando a sua frente, o cachorro sente uma agradável sensação de prazer, mas nunca vai comer o frango, a agradável sensação de prazer é suficiente para que ele sinta-se realizado.
A sensação de que tudo é melhor sem mesmo nunca ter sido é uma arma poderosa, influência todos os níveis sociais. A democracia é cada vez mais ameaçada, por esse sistema neo-socialista que não aceita criticas, não aceita questionamentos, assim forja-se uma democracia mentirosa, de mão única, educa-se para os olhos, mata-se a reflexão e fica cada vez mais difícil amar e ser amado.




Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…