Pular para o conteúdo principal

4ª feira de cinzas- Feliz Ano novo!*

Herculano Neto, Genival Lacerda e Ediney Santana/ foto Daniel Dória
Quem para e presta atenção em alguém? Prestar atenção mais que olhar é sentir o outro, penso que ta todo mundo meio gato, aqueles bicho que passa o dia se lambendo ou a eterna bruxa do “espelho espelho meu, alguém mais bonita que eu?”  Chiliques virtuais ou reais me fazem lembrar Genival Lacerda:” A gente é sem vergonha/ a gente é que não presta/ o mundo pegando fogo/ e nós aqui na festa”. Antes tarde que nunca, acabou o carnaval: Feliz ano novo gente!!!!
Quero tomar café com Lya Luft, Herculano Neto (esse elegante camarada na foto comigo e Genival Lacerda, São João do ano passado em Santo Amaro. Com bons nordestinos o carnaval nos diz pouco, o São João TUDO!!!) esses dias me perguntou por que não postam frases de Lya Luft em blogs e afins. Não sei, mas postam textos “psicografados” por Clarice Lispector, uma das autoras mais difíceis do mundo é citada como se seus escritos fossem  propaganda de biscoito palito.
Foi-se o carnaval, acabou a masturbação musical das redes de TV com a trupe do lá, lá, lá, agora tudo voltar à anormalidade de sempre. Pouco a pouco velhas angústias vão se reapresentando para o serviço, as porradas não sentidas em primeiro momento começam a doer, o sorriso fácil e as caras de imbecis eternamente felizes vão ser enlatadas, é preciso ainda na 4ª feira de cinzas aumentar as doses doloridas de realidade, desgraças alheias vendem mais que felicidades subjetivas.
Atenção! Olha aquele bicho estranho ali... É gente, não parece, mas é, beba um cafezinho, não precisa levar para cama, mas olhe com mais ternura, teu espelho ta cansado de sempre refletir tua imagem insossa, há outras belezas por aí, gente talvez possa ainda encontrar, sempre sobra exemplares de uma espécie em extinção.
Para mim que sou baiano de uma rua só, uma cidade só e uma língua só essa sacanagem de que tenho que sorri como se os dentes fossem feitos só para isso é um porre seco, uma cachaça mal bebida, gosto da bagaceira, mas tenho direito a minha introspecção, minha masturbação espiritual, gozar comigo mesmo e descobrir o caminho para quando for contigo fazer sentido o estarmos juntos, fora isso não vou atrás de trios elétricos, gosto de duplas elétricas e o Curto-Circuito que isso causa no coração.
Começa o ano novo na 4ª de cinzas, tudo como sempre nunca foi: contas para pagar, alguém para beijar, medo e nenhum calmante, ainda há os impostos, os miseráveis dos impostos que pagam a boa vida de muita gente em algum condomínio de luxo por esse mundo de meu Deus e o seu sindico o Diabo.
Desejo para você um ano novo repleto de não coisas: amor, justiça, paz, ternura, felicidade, mudança, alegria. Não coisas para um ano feliz, paz e novas descobertas de como sermos atenção do bem na vida de outra pessoa. Eu não sei das perguntas, me interessa o viver, tenho febre e meu corpo todo é só desejo, então vou vivendo. Atrás da felicidade só não vai que já morreu.
Contatos: http://edineysantana.zip.net ou ediney-santana@bol.com.br

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* “A maturidade me permite olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranqüilidade, querer com mais doçura./ Às vezes é preciso recolher-se".
DE: Lya Luft
Fonte: http://www.releituras.com/lyaluft_bio.asp





Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…