Pular para o conteúdo principal

A noite que não terminou

Na noite do dia 02 de fevereiro de 2012 estava na Praça da Purificação, em Santo Amaro, com meu amigo Sergio Damião quando o prefeito da cidade e o delegado subiram no palco em que se apresentariam alguns cantores para o enceramento da tradicional festa da Purificação e suspenderam as festividades por não ter como garantir a segurança dos participantes no evento.
A greve da Polícia Militar deixou a cidade vulnerável a toda sorte de crimes. Não há registro, em mais de quatrocentos anos da Paróquia da Purificação, que a festa tenha terminado antes da sua tradicional queima de fogos, a tradição foi vencida pela criminalidade e pelos furúnculos sociais do governo da Bahia, furúnculos que o governo insiste em não querer enxergar, como um cego que teima em dizer que enxergar perfeitamente.
O governo Wagner é um governo perigoso porque não tem autocrítica, tão pouco aceita qualquer tipo de crítica que aponte suas falhas. Há mais de um ano que a PM ameaça greve e o governo sempre minimizando a situação.
O que assistimos ontem à noite na Praça da Purificação: pessoas em pânico, policias civis visivelmente assustados com a fragilidade deles diante o pânico generalizado, sabiam que diante o reduzido efetivo pouco podiam fazer, crianças desesperadas chorando e muita gente correndo para casa.
Tudo isso foi apenas a parte visível de políticas públicas equivocadas, de um governo que não demonstra respeito humano para com as pessoas, de um serviço público fragilizado e sem comando. O governador Wagner ilhou-se em sua prepotência, é incapaz de sorrir, de um gesto de carinho ou ternura em público, fala sempre com os dentes cerrados como se tivesse ódio do mundo, para ele um governo se resume em “negociações” políticas, seu governo podia sem ao menos simpático com quem sofre tanto.
Outro ponto muito estranho é o silêncio dos intelectuais e artistas da Bahia, não vi nenhuma manifestação de apoio por parte desses artistas ou intelectuais à população ou de críticas ao governo no seu débil gerenciamento da crise na segurança pública. Não defendo a ideia de que as pessoas sejam obrigadas a carregar bandeiras nas costas, mas a situação é grave e cabe a toda sociedade opinar, debater e cobrar do governo solução.
No lugar de um posicionamento crítico diante a situação a maioria dos artistas da Bahia lamentaram o cancelamento dos seus shows e espetáculos, e muitos intelectuais o fechamento dos eventos culturais ou dos seus bares preferidos, isso é triste e deprimente.
Esperamos que o governador Wagner leia seus próprios discursos quando era sindicalista e encare a responsabilidade que tem pela vida de todos os cidadãos, cidadãs desse estado e resolva nossos flagelos sociais. A Bahia não pode continuar avançando cada vez mais para esse estado lastimável de favelização da nossa cidadania.
Contatos: ediney-santana@bol.com.br ou http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…