Pular para o conteúdo principal

A flor do tempo

Em uma entrevista no programa Roda Viva Milton Santos falou sobre a coragem de ser só quando se acredita em algo. Ter coragem para viver suas próprias paixões e razões, não se importar se quem parte ou quem chega vai ter com nossa visão de mundo algum tipo de consideração, ter um projeto de vida que é um projeto de humanidade e sem ser para o mundo nossa própria vida um modelo, contribuir para o crescimento do país e da civilidade seria a vocação primeira de quem produz conhecimento.
A grande questão nos debates durante os anos finais de vida de Milton Santos era a Globalização, Fernando Henrique era o presidente e o PT uma alternativa para o país que tinha um Estado cada vez mais fragilizado. O que não se sabia ainda é que o PT no governo aprofundaria todas as perspectivas neoliberais gestadas no governo FHC, o PT se mostrou dócil e feliz serviçal do jogo capitalista liberal a ponto de se orgulhar de ter quitado uma suposta divida com o FMI.
Não ter medo de caminhar sozinho, vibrar com o coração que se alegra quando ao seu lado alguém passa feliz, não sentir as próprias dores como se fossem as dores todas do mundo, minha fome não é a fome do mundo, minha fome é a fome de saber, de ser livre e isso só pode acontecer quando não temo viver só, morrer só, amar só.
Não é um sistema que vai determinar minha felicidade, quem determina minha felicidade é a minha capacidade de dizer não ou sim, de ir além do previsível que me é apresentado como receita de vida. Ouvindo Milton Santos vou aprendendo a viver com o que apenas tenho, não ter meus olhos sobre os supérfluos, é preciso ter coragem para viver e não perder a paixão pela vida, mas sei o quanto o sistema pode me trazer angústias e dores.
Vivo sendo, no gerúndio, e não em um tempo acabado, vivo construindo sobre as ruínas do meu tempo novas esperanças, um desemprego aqui, uma tristeza ali e só deixo de ser, só deixo de viver no gerúndio quando a morte chegar e verbalizar friamente minha vida, por enquanto estou sendo e sendo sou mais de quem vive para ser. Vivo apenas como o essencial o supérfluo não diz nada ao meu coração.
Toda ideia ou planejamento intelectual ou de vida cai ou é profundamente abalado quando há escassez, por isso mesmo o caminho para tirania, ditaduras ou despotismos passa pela escassez, isso é bem dito e cantado por Gonzaguinha: “Um homem se humilha/ se castram seu sonho/ seu sonho é sua vida/ e vida é trabalho/ e sem o seu trabalho/ o homem não tem honra/ e sem a sua honra/ se morre/ se mata”. Esses versos da canção “Um homem também chora (Guerreiro Menino) é de profunda lucidez, sobretudo quando nosso coração bate na contramão do que vive e não nos diz absolutamente nada.
Não ter medo de ficar só ou amar só passa pelo enfrentamento da escassez, saber caminhar com a multidão só é possível se soubermos também caminharmos sem ela, o bem que se deseja é o bem que vai além do momento do agora, a grande simpatia e afeto, penso eu, é o abraço da história.
Contatos: http://edineysantana.zip.net ou ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…