Pular para o conteúdo principal

Os Olhos tristes de Paulo Freire

Paulo Freire sempre me pareceu uma figura triste, suas palavras sempre tiveram mais ânimo do que ele próprio, entendo porque isso. Se eu pudesse resumir o meu diploma de letras diria que é um diploma triste como a fisionomia de Paulo Freire, triste porque ele não representa para mim uma vocação, mas um ato de luta política e social, não representa para mim um título que levarei um dia para o túmulo, representa interferências sociais que ficarão por aí no coração de cada pessoa que encontrei pelo caminho e cismou o mundo comigo. O que é o mundo sem cismas meus amigos? O mundo sem cisma não passa de pedras que engolimos, verdades que defendemos e nem sabemos de que mentira elas brotaram, meu diploma é triste com Paulo Freire sonhando com um futuro livre da ignorância e estupidez generalizada que dita os rumos desse país com vocação em abortar sempre esse mesmo futuro, meus olhos já cansados refletem meu espírito pedagogicamente ilhado no fronte de um quadro negro que não traça mais caminhos para o futuro.
Meu diploma grita em um fundo de gaveta, pergunta para mim cadê nossas lutas, nossas bandeiras, nossas paixões, em que lugar nosso entusiasmo se perdeu. Tudo é o que não vemos ou sentimos, na prática tudo é pré noite.
Minha alegria é triste como Paulo Freire falando do MST, acreditando que eles vão ajudar a construir um país diferente, que alegria ainda guarda um coração pedagogicamente cansado? O mal de ontem veste a roupa do bem, o bem de ontem grita o quanto pode ser mal e perverso hoje.
Um dia meu amigo, professor Saborosa, me disse que algumas pessoas comentaram que eu não me encaixo no perfil do que se espera de um professor, passado tanto tempo, acho que não me enquadro mesmo, quem deseja aulas com um sujeito tão triste quanto os olhos mal dormidos de Paulo Freire?
Olho para a presidente Dilma e vejo tanto passado, quando deveria enxergar o futuro, olho para a delicada grandeza dos mestres esquecidos, Anísio Teixeira hoje é só o nome de um instituto, Paulo Freire citações em congressos pedagógicos que não discutem a vida e sim a morte da educação.
Sou mais triste que uma senhora com lápis tremulo nas mãos tentando aprender a escrever o próprio nome, 80 anos de solidão pedagógica, sou algo intermediário entre um ser humano e um professor brasileiro.
Contatos: ediney-santana@bol.com.br ou http://edineysantana.zip.net















Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…