Dor

A dor crônica é o que me faz ajoelhar e xingar os céus. Sinto dessas crônicas dores há anos e não sei viver sem analgésicos. Analgésicos são perigosos, fazem você ter náuseas e podem acabar com o seu dia preferido, no meu caso o domingo.
A dor deveria ser tão somente um alerta de que algo não vai bem em nosso organismo, mas em um determinado momento (não se sabe ao certo o porquê) a dor em si é causa e problema e é nesse momento que o inferno parece abrir suas portas e nos sugar para dentro.
Os médicos quase sempre fazem diagnósticos imprecisos. Encontrar a causa primária de uma dor crônica não é tarefa fácil e pode levar anos ou simplesmente nunca se saber ao certo de onde nasce esse enxofre indelicado de todas as horas. Sofre-se pela dor e pelo desalento de não se saber ao certo o que se tem.
Ao todo tenho três pontos de dores crônicas e só um desses pontos tem diagnóstico exato da causa. Quando tudo dói fecho os olhos e como fez Cristo na cruz lamento o abandono de Deus quando meu corpo, sua imagem e semelhança, é templo para tantas dores nem um pouco santas.
À noite quase não durmo, ligo o rádio na Itapoan FM, ouço o Samuca traduzindo canções, faço da minha insônia altar de oferendas a qualquer Deus que me livre da dor. São quase sempre oferendas rejeitadas.
Tomo meus comprimidos em doses cada vez mais altas, vou ao trabalho, é tempo de sorrir e fingir o quanto tudo vai bem, quem paga não quer saber a dimensão humana de pessoa alguma, quer profissionalismo e profissionalismo é engolir a própria saliva ensaboada de aspirina e outras drogas farmacológicas.
É incrível a capacidade que temos de nos habituarmos ao que não presta, há uma espécie de contemplação com as nossas tragédias pessoais, a dor com o tempo passa ser sentida de maneira diferente, remédios são transformados em quase amigos os quais convidamos para uma noitada química, mas sabemos onde tudo vai terminar, porque em dor quem “vive” com elas certamente saber o quanto também não existe.
Contatos: ediney-santana@bol.com.br ou http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys