Pular para o conteúdo principal

Ensaios

Milton Santos disse certa vez que até hoje foram feitas apenas tentativas para se ter uma humanidade, ensaios, porque segundo ele nunca tivemos humanidade alguma.
A nazi-religião invade televas das TVs, a intolerância religiosa veste todas as cores e mantos, o estelionato cultural faz desmoronar todo um legado imaterial da nossa cultura que deveria ser protegido e preservado. Tudo isso mostra-nos o quanto o modelo de humanidade que está aí não nos serve, não vai além de um miserável modelo social a pregar o ódio e a miséria como forma de garantir a riqueza e poder de uns poucos.
As relações pessoais estão cada vez mais gerenciadas pelo poder econômico ou pela ausência dele. Minha pele, minha alma é cotada pela bolsa de valores da mediocridade. O mediano é o objetivo final neste mundo no qual a excelência é um gueto cercado pela segregação econômica.
Às vezes penso que boa parte dos brasileiros são viciados mesmo é em lixo: lixo religioso, político ou cultural. Basta ser tocado pelo ridículo, grotesco, patético, servido no prato da aberração midiática que tudo isso é transformado em referência para o riso ou dor e o pior: modelo de cidadania, A grande epidemia aqui é o vício no que não presta.
Ensaios: ligo a TV e um desses médicos empalhados em formol fala da alegria do seu projeto social para criancinhas com câncer e logo em seguida pede ajuda em dinheiro, argumenta que se eu doar algo ficarei em paz e com a consciência tranquila, um pastor jura que se eu comprar a “nova” bíblia contendo explicações teológicas feitas por ele mesmo ficarei livre de qualquer enfermidade espiritual.
Ensaios: A educação pública no país (com algumas exceções) adestra, habilita para a repetição, reprodução em massa de gestos e afetos, hora marcada para sorrir, hora marcada para morrer (como cantou Belchior) "sem nunca ter visto a vida", formar para deformação, anular corações e alma. A grande pedagogia é a do martelo no próprio cérebro, homens de lata não vão buscar um coração, meninas em encanto mórbido com um mundo em que o normal é ser igual, o barato é assassinar o grande mágico pedagogo e para sempre ficar no país das insanidades, como guia a estupidez pedagógica único e exclusivo caminho neste cemitério da cidadania que é o Brasil.
No país em que a ausência do pecado transforma todos em santos, cada um faz dos seus infernos pessoais o paraíso exato de vida sem existência e todos se sentem felizes vivendo no inferno coletivo criado aos olhos letárgicos de uma nação que por fim não existe, cada um no seu estado ri das desgraças dos outros estados e todos vivem suas vidas desgraçadas.
Sou de uma geração que sonhou com as pessoas erradas, nossos “heróis” empunharam bandeias vermelhas não para a defesa da vida, mas em defesa de um projeto político o qual não haveria espaço para a felicidade ou qualquer sentimento bom que não pudesse se negociado na visão tacanha e mesquinha sindical que eles sempre acreditaram.
Ensaios: Ter mais coração que fé, negar o misticismo, não ter em olhar algum guia, é preciso um pouco de anarquia para ser feliz, saber o quanto de paixões precisamos para no fim deitarmos em paz na terra que de manto será nosso país real e concreto, paixões para a correção de erros de quem sonhou com pessoas erradas.
Contatos: ediney-santana@bol.com.br ou http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…