Pular para o conteúdo principal

Add caption
Um dos problemas do ensino e aprendizagem nas escolas é como deve ser feita a avaliação dos educandos e se for feita quais os instrumentos professoras e professores devem usar para realizar avaliações seguras dos seus alunos e alunas.
Um fenômeno assombra salas de aulas, com o crescente desprestígio de professores (as) muitos alunos (as) invertem o papel e negam a capacidade técnica pedagógica dos professores (as) em avaliá-los, os alunos (as) ditam as regras e exigem serem avaliados segundo seus critérios ético- pedagógicos.
Claro que o professor (a) não deve ser e não é o dono (a) da razão suprema nas escolas, claro também que a auto-avaliação feita por alunos (as) é necessária para a sua atuação como agente ativo no seu próprio processo de formação, assim como também a reflexão da própria prática pedagógica é um dos instrumentos dos professores (as) para uma constante reavaliação da sua atuação como agente intelectual no ambiente escolar.
Certo é que com a negação do professor (a) em sua importância profissional e o fazer pedagógico ter sido absorvido por uma mórbida política educativo oficial, cada vez mais a própria escola enquanto espaço de interação, ensino e aprendizagem vai perdendo seu sentido, a escola aos poucos vai se tonando um espaço burocrático tão somente para outorgar certificados e diplomas.
A busca desesperada por um diploma parece sobrepor a busca por conhecimento, não por acaso cursos supletivos ganham muito dinheiro oferecendo “Certificado de 2º grau em apenas um mês” ou bisonhas faculdades dedicadas em ensinar a picaretice intelectual estão na lista da preferência da estudantada. Tudo isso abençoado pelo MEC e pela maior pedagoga do país: a ignorância.
A violência permeia salas de aulas. Violência intelectual quando o ensino é uma muleta em currículos vazios e desconectados com a realidade dos educandos e dos profissionais em educação, a violência do faz de conta em que criar-se a ilusão que a escola é um templo sagrado do conhecimento, mas na prática é o templo sagrado da intolerância de ideias, a violência física que deixa todos coagidos e desesperados de no fundo saberem o quanto governo e a própria sociedade estão pouco ligando se dentro das escolas as pessoas aprendam ou ensinem algo ou ainda se vão se canibalizarem, contudo que nunca seja declarado o número de alunos evadidos, é preciso assegurar verbas. São FUNDEB da corrupção que não nos proteja.
Tudo é permitido, inclusive elevar a ignorância ao status de Doutora honoris causa por serviços prestados para idiotização de um povo.
Como não lembrar das universidades públicas brasileira ao ler Tabacaria poema de Fernando Pessoa?

“Não estão nesta hora gênios-para-si-mesmos sonhando?

Quantas aspirações altas e nobres e lúcidas -

Sim, verdadeiramente altas e nobres e lúcidas -,

E quem sabe se realizáveis,

Nunca verão a luz do sol real nem acharão ouvidos de gente?

O mundo é para quem nasce para o conquistar

E não para quem sonha que pode conquistá-lo, ainda que tenha razão.”

Em qualquer jornada pedagógica podemos encontrar esses “gênios” da pedagogia, da “solução” para todos nossos problemas, falam o que professores (as) querem ouvir e por isso mesmo vendem milhões de livros cheios de bobagens acadêmicas que na prática pouco nos dizem sobre os graves problemas da educação real, pé no chão, literalmente pé no chão.
Um país em que ter um mestrado ou doutorado serve como amostra de desigualdades social não pode ser leva a sério. Um amigo me disse certa vez que para consegui ser aprovado no mestrado da UFBA teve que se matricular como aluno especial e fazer “amizade” com um professor, e que essa prática era comum em todas universidades públicas. Nunca terei mestrado, não nasci para puxa saco intelectual.
Não por acaso nossas universidades ocupam lugares constrangedores entre as universidades do mundo, nossa melhor classificação é da Unicamp, segundo o site http://www.timeshighereducation.co.uk aparece em 276º lugar, em primeiro lugar está a California Institute of Technology nos Estados Unidos.
O analfabetismo intelectual é a grande estratégia pedagógica da educação pública brasileira, o resultado prático para o governo é a manutenção do caos como ordem, a garantia de que não será questionado em sua estrutura, o governo sabe quanto o coro dos descontes é ralo e não abala suas raízes, mas o governo não está sozinho nisso, parcela significante de alunos (as) professoras (es) e de eleitoras (es) são co- autores neste projeto, o que é lamentável e profundamente triste, como naquele programa do Silvo Santos no qual as pessoas de olhos vendados trocam objetos, troca-se aqui a felicidade de um país viável por um cargo ou a ilusão de que todos fazem parte da festa, pode até ser de alguma festa, a festa da estupidez.
Contatos: ediney-santana@bol.com.br , http://edineysantana.zip.net
















Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…