Pular para o conteúdo principal

Ao amor e ao ódio


O medo político e o terror geram a desgraça e  miséria para milhões de pessoas, mas também geram a riqueza para alguns poucos e é mantendo a esperança no coração de milhões de pessoas pobres ou miseráveis que o fazer político para o crime vai se perpetuando no país.
Desde que o país foi redemocratizado nenhum presidente ousou enfrentar as estruturas que geram as desigualdades sociais. Vivemos em um país de paliativos, e são esses paliativos mascarados de programas sociais que servem para cretinos se eternizaram como grandes personalidades da política quando não passam de sevicias do crime e da barbaria representados por narco-empreiteiras, todos nossos presidentes foram eleitos com ajuda de dinheiro sujo, em verdade não foram nossos presidentes, foram e são presidentes de empreiteiras e suas eternas obras pagas com nossa falta de saúde, desemprego, violência e toda sorte de humilhação social.
Estamos mais uma vez em uma campanha política, no lugar do debate e da celebração de uma democracia saudável vamos assistir a desordem, truculência, abuso de poder econômico, manipulação de agentes de segurança, difamações e calunias devidamente plantadas sobre o manto do anonimato para induzir o eleitor ao erro, o que quase sempre acontece, e esse erro coloca no poder as mais perigosas personalidades que jamais deveriam ser responsáveis por tantas vidas.
Por outro lado cabe ao povo sentir mais suas dores, não cair no canto moribundo e fúnebre de que é frágil e precisa de heróis, o que o povo precisa e despertar o amor próprio e sair da condição de coadjuvante da democracia para ser seu principal personagem. Quem é o povo? Quem criou essa ideia? A presidente é povo? O governador é povo? Para a classe dominante povo é todo aquele que se contenta com pouco, que troca uma condição progressiva de vida pela sempre mesma velha instável e incerta esperança, de que como canta a música Guilherme Arantes, “amanhã será um novo dia.” Quero um o novo dia hoje, o amanhã não faz parte da história de pessoa alguma, a vida acontece neste agora, quem sonha com o amanhã se distancia da realidade, e tudo que os controladores sociais querem é um povo que viva a sonhar com o amanhã e esqueça-se do prazer de se viver o agora.
Durante as greves das professoras e professores ouvi de agentes (em cargo de comissão) da Sec. de Educação do estado que os grevistas eram baderneiros, a justiça decretou a ilegalidade da greve e o governo com sua estratégia de propaganda colocou a população contra os professores e professoras.
Juízes e promotores não são povo, são cidadãos, vivem em outra esfera e com seus super salários não fazem greve, não sentem o drama do povo, agentes da Sec. de Educação chamar grevistas de baderneiros, se Wagner fosse o mesmo Wagner dos tempos de deputado federal mandaria exonerar esses agentes imediatamente, mas o que Wagner governador vai fazer é condecorá-los.
Tudo indica que em Santo Amaro teremos três candidatos a prefeitos, no entanto a grande ausência nestas eleições será a falta de debate político, em seu lugar teremos a presença ostensiva da aspereza humana, do moralismo doente, das velhas práticas coronelistas da política nordestina e é claro o povo sempre coração aberto para abrigar quem mais lhe mata. Gosto de política, participarei da eleição municipal, mas não darei apoio formal a candidato algum, formalizo meu apoio a uma eleição limpa, com debates de ideias, respeito a democracia, sem agentes da leis tomando partido, sem nossas instituições públicas servindo de financiadoras para candidato algum. Sonhar com pessoas erradas é o caminho mais curto para a morte, o sonho que liberta é o sonho livre sem cabrestos, é o caminhar livre com nosso poucos, porém sinceros amigos corações.
Pelas ideias que defendo sei que não sou uma pessoa querida por nenhum grupo político em Santo Amaro, mas honestamente isso pouco me interessa, melhor que ter grupo político é marchar com a consciência tranquila e ir a todos os cantos dessa cidade e sempre encontrar um amigo. Sou militante do PV, tenho pelo Presidente respeito, e foi ele quem assegurou legenda para minha participação no momento político de agora, o restante não me interessa.
Não me interessa gente desequilibrada que nutre por mim um baderneiro sentimento de amor e ódio, não me interessa dinheiro ou posição financeira de pessoa alguma, não me interessa brigas e ataques pessoais o que quero e distância de quem troca o debate de ideias pelas brigas, por calunias e pela covardia que sé esconde atrás do manto do poder ou do dinheiro, desejo para nossa cidade uma eleição tranquila, já sofremos demais.
Contatos: ediney-santana@bol.com ou http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…