Pular para o conteúdo principal

Sangria

Cortar o que tiver de ser cortado, sangrar de uma vez o que tiver de ser sangria, sofrer por estágio é para quem tem vicio em desgraças pessoais, eu não, morro logo e espero o momento inexato para renascer, antes só que acompanhado por fantasmas.
Viver como alma penada na dependência de corações mal assombrados não é para mim, vago só e gozo em minha solidão. Corpos cansados, carregados de medos fazem mal ao gozo. Escrevo poesia para depois e depois e depois do amanhã não há nada para ser dito hoje. A lanterna não traz luz, nada de ser refém da energia que vem do outro, não sou niilista apenas vaga vogal acrílica perdida nas tuas tatuagens tristes.
Estou ouvindo “O Soldado e o Anjo”, dos Secos e Molhados, quase posso ver você aqui com seus cigarros, seus amantes e amigos. Gostar é saber ser amante, ser o outro e ser ninguém em vida de pessoa alguma, gostar é algo meio ser capacho.
Algumas abelhas estão aqui nos meus braços, fazem mel e estão rindo dos meus cabelos molhados, nada de cansaço, deus nos tem como filhos só durante o dízimo das dores, me ama como eu sou... Não sou nada.
Sempre sonho caindo, caindo no vácuo, no nada, como se a alma (se é que eu tenho uma) fosse para um canto e uma tonelada de nuvens desabassem sobem meu corpo. Nada é mais bonito que o dia cinza desse quase inverno e você como sol nascendo ao meu lado.
Vem como um sonho primavera, eu também sou primavera catingueira, um anjo sempre me protege, há um dia profundamente azul, tua língua tem sabores de queijo em alecrim.
Eu amo, amo... Tenho dois amigos e um milhão de estrelas no meu quarto, que me importa as dores sentidas, nada é sentido para sempre, fica a palavra na biblioteca Padre Loureiro, o licor no Bistrô e alguém amado em silêncio.
Dor é dor e deve ser sentida de uma única vez, é a dor que se faz dor por negarmos o óbvio: o prazer não nos quer pela metade em seu colo.
Toda cor é a cor não vermelha do bem, sou todo coração, coração feminino, ácido e feliz em dias de brigadeiro, bebo milagrosamente a canção do tempo e quase não sinto as asas oferecidas por mãos impuras e divinas.
Meu amor é uma corda a me enforcar, o amor não compartilhado é suicídio, pulsos cortados em banheiro público, festa sem convidado, é morte na certa... Vou morrendo: dor no fígado, estômago, rins, coração, bolsa escrotal e alma enferrujando.
O bom tom da escrita é o tom do fazer bem e ser divino, divina é a sabedoria dos ratos roubando ratoeira e sendo eleitos prefeitos da confraria dos idiotas.
Sou tão elegante quanto um tubarão branco, adoro meu sotaque nordestino, minha fome nordestina e meu tesão mar e sal da Bahia. Quem tem medo que não viva, eu vida e amor em tesão infeliz, eu carne e porção carne alguma, deixa beijar você, deixa eu amar você como se ama as andorinhas sem árvores deste outono nuclear.
Não somos feitos para solidão, o corpo arde, febre pede colo. Há quantos anos você não vive? Quais são os milagres deste teu novembro? Todo silêncio é um revelação ou de medo ou coração.
Minha palavra é a razão da não razão, milagres são milagres só quando acontecem com o vizinho, comigo é ciência ou mentira. Mentira é a verdade que consola ouvidos imbecis. Quero você vestida com as roupas do rei, nua e divinamente puta, todas putas são divinas como divina é toda mulher.
Sangrei, bebi fel e senti a dose exata do amar não transitivo, visto a camisinha e vou à luta, luto com as armas deste amor, mesmo intransitivo: amar.
Contatos: ediney-santana@bol.com.br ou http://edineysantana.zip.net





Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…