Pular para o conteúdo principal

Flor no caos

Quando mais se aproxima mais se afasta do desejado, quanto mais se vive nega-se o próprio viver, quanto mais se busca a felicidade mais a angústia parece ser a estação última de tudo que somos. Essas contradições às vezes parecem ser o resumo de muitas pessoas que fizeram de suas vidas tenebrosas caricaturas de si mesmas.
Todas buscas por felicidade, vida afeição ou amor quando trilhadas sobre ruínas emocionais pouco resta além da sensação enganosa de que se tenta sinceramente ser feliz, isso tudo leva ao inevitável viver e não existir.
Por algum motivo desconhecido por mim algumas pessoas levam a risca aquela canção do Tim Maia: “Alguns nascem para sofre enquanto outros ri”. Muitas pessoas acreditam nessa simples equação determinista, “Azul da cor do mar” é uma canção lindíssima, mas induz ao engano corações emocionalmente fragilizados, não há determinismo nem para felicidade ou infelicidade.
Em “Veveco, Panelas e Canelas”, canção de Milton Nascimento e Fernando Brant, eternizada na voz de Beto Guedes temos a tradução de muitos sentimentos caros a nossa cambaleante razão, em especial gosto dessa parte: “Eu não tenho compromisso/ eu sou biscateiro/ que leva a vida como rio/ desce para o mar/ fluindo naturalmente como deve ser/ não tenho hora de partir/ hora de chegar/ hoje estou de bom com a vida/ tou em meu caminho”. E você é “biscateiro” ou vida fórmula? Amores fórmulas? Desejos padrões? Pátria, Deus e família?
Desorganizar a ordem não criada por mim tem sido minha paixão. Assim posso ter família, deus algumas vezes e minha pátria é o meu rincão com os que estão aqui nesta mesma não ordem. Viver modelos é não viver, viver sobre definições de terceiros é se definir como otário.
Minhas dores físicas não podem ser caixão e enterro para minhas paixões espirituais, sou além do que tenho como corpo. Quem sabe da intimidade de pessoa alguma? Olhar de fora sempre é confortável, avaliar erros não nossos sempre é mais fácil que tê-los vividos como agulhas em nossa carne.
Desordens pedem ordem, calmaria pode ser também sinônimo de não estarmos vivendo, não há como estarmos em linha reta sempre com a vida (sugestão de leitura: Poema em Linha Reta de Fernando Pessoa), mas estamos vivos, estar vivo é sempre uma chance de sermos muitos caminhos e oferecer à natureza nossa porção solicitude.
Porção solicitude com a terra, beber da água só o que for necessário para matar nossa sede diária de vida, ter com a terra relação de respeito, afinal seremos dela um dia, totalmente dela nos estaremos entregue.
Caos pede ordem e a ordem pessoal nossa de cada dia pede serenidade para vivermos essa nossa caminhada pela terra que será nossa terra, terra em nossas veias, rio e flor serena do caos que por fim é vida.
Contatos: ediney-santana@bol.com.br ou http://edineysantana.zip.net









Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…