Pular para o conteúdo principal

Luiz Gonzaga: 100 de uma lenda

Não há maior glória para alguém do que ser referência para tantas outras pessoas, mas além de referência ser uma lenda é algo para poucos. Bob Marley ao morrer com seus 36 anos deixou um legado musical maravilhoso e hoje é mais que um artista pop, é uma lenda. Os Beatles há muito não são só uma banda formada por quatro garotos de Liverpool, são uma lenda da música mundial, Elvis Plesey foi muito além da sua voz poderosa e é tão lenda quanto os Beatlhes, Robert Jonhson morto aos 27 anos foi direto para galeria dos lendários da música, Mozart cujo nome é sinônimo de música e genialidade é uma das maiores lendas da história da música.
No Brasil o único artísta lenda é Luiz Gonzaga, nehum outra pessoa por aqui foi tão além da condição de artista como ele. Figura emblemática deixou-nos um catálogo musical maravilhoso, sua imagem pode ser encontrada desde loja de artesanatos a grafites em muros, suas canções foram regravadas por quase todos os artistas da sua geração e das posteriores, seu Centenário esse ano será festejado em todo país e durante o São João será impossível calcular quantas festas, shows serão realizados em sua homenagem.
Ao lado de Zé Dantas e Humberto Teixeira, Luiz Gonzaga compôs canções Inesquecíveis que ajudaram a não só imortalizar seu talento, mas a transformá-lo em lenda.
É lenda quem tão somente seu nome conta toda uma história e basta que alguém o escute para criar todo um imaginário de cultura, criatividade e identidade, assim ao ouvir a palavra Mozart alguém que nunca ouviu uma sinfonia criada por ele pode criar toda uma imagem ao seu respeito e o identificar como alguém diferenciado dos demais compositores.
Luiz Gonzaga é uma lenda porque não o identificamos tão somente como um músico, ele é a tradução de um povo, tudo nele é referência, sua vida bucólica, deu voz ao sertanejo do campo, cantando gêneros musicais dançantes, ora sendo politizado, conseguiu unir vários elementos que o fez ser do povo sua tradução, mesmo para quem vive nas cidades Luiz Gonzaga soube se fazer ouvido e sentido.
Nenhum outro artista brasileiro conseguiu a emblematicidade de Luiz Gonzaga, a questão não fica tão somente na seara musical, musicalmente podemos encontrar artistas mais talentosos que ele, no entanto para ser uma lenda só o talento não basta é preciso ser talento mais identificação, ou seja, sua arte e vida devem se identificar com a cultura de um povo.
O nordeste festeja Luiz Gonzaga, a voz do sertão que traduz nossas mais sinceras angústias e alegrias. Ao se vestir de cangaceiro Luiz Gonzaga fez homenagem a outra lenda Lampião, que encarna em si a eterna dualidade do ser entre o bom ou mal, Gonzagão o entendeu com o símbolo de luta do povo pobre nordestino, e o povo pobre ou não do país inteiro entende Gonzagão quando os primeiros acordes de Asa Branca canta sua saudade não só dos olhos verdes de Rosinha, mas de toda sua gente.
Contatos: http://edineysatana.blogspot.com.br, ediney-santana@bol.com ou ediney-santana.zip. net









Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…