Meu anti – herói

Ele nunca foi campeão, mesmo sendo recordista em participações em corridas de Fórmula 1, ganhou poucas, sempre foi alvo de piadas do país inteiro, feinho nunca teve mulheres histéricas gritando por ele nas corridas, parece ser um cara tranquilo e família. Meu herói em esportes é para muitas pessoas um incompetente, um símbolo do fracasso. Meu herói nos esportes é Rubens Barrichello.

Airton Senna apesar de todo sucesso sempre me pareceu uma figura triste, olhar perdido e quase sempre parecia imerso em um mundo paralelo, avesso a tudo que vivia, era vencedor, mas não parecia feliz. Rubens Barrichello nunca foi campeão, mas sempre me pareceu extremamente feliz pelo simples fato de correr, de participar.
Não pense que sou fã de Fórmula 1, não sou, apenas observo pessoas, suas caras e bocas. O esporte em si não me diz muita coisa, previsível, excessivamente tecnológico e elitista em todos os aspectos, tão elitista que se não fosse pela força da mídia, em especial da Globo, Ayrton Senna mesmo com toda glória não seria um ilustres desconhecido para boa parte da população.
Torcer pelo Barrichello não tem nada haver com aquela história de pena ou compaixão, não é isso, torcer por ele tem haver com a questão de saber o quanto o prazer do jogo e por vezes mais intenso que o da vitória.
Quando eu era mais jovem formei uma banda a “Flor Marginal”, nunca tive aplausos, ou vaias, era apenas gozação e piadas ou pior simplesmente o desprezo pela minha presença nos inferninhos do Santo Amaro nos anos de 1990, sempre gostei de escreve, mas minha literatura nunca foi lá levada muito a sério, ou seja, na música ou na palavra ou sou um Barrichello faço pelo meu prazer e para a alegria mordaz dos que não entendem isso.
Nunca vivi como se o mundo fosse um reflexo meu, pelo contrário, levo com dedicação aquela ideia de que somos a somas de todos nossos encontros e deixo sempre espaço para minhas inquietações, para minhas incertezas seguras, chegar ao fim da corrida com a missão cumprida, sem ter machucado ou ferido pessoa alguma como um campeão da boa vontade como é Rubens Barrichello.
Contatos: ediney-sanana@bol.com.br ou http://edineysantana.zip.net



Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys