Os ternos do bom gosto

Eles não têm cabelos compridos, tatuagens, se dizem religiosos, embora muitos tenham vida sexual dúbia se declaram contra os direitos civis dos homossexuais, não ouvem rock ou pagode,se declaram não racistas até suas filhas ou filhos se interessarem por algum negro (a) ou pobre, mesmo vivendo do dinheiro público quando adoecem não se internam em hospitais públicos para eles há o Sírio libanês, hospital particular considerado um dos melhores do mundo, bebem uísque caríssimo, são impecavelmente elegantes, têm na França seu padrão de bom gosto, não por acaso vivem por lá, adoram, mesmo sem formação para isso, serem chamados de “doutores”, muitos já são nomes de ruas e escolas, vivem como reis, muitas pessoas os chamam de “o homem” ou os chamo de ratos.
Recorrendo mais uma vez a Millôr Fernandes: “é fácil reconhecer um canalha, ele sempre propõem uma solução moral para um problema”. Dois dos maiores facínoras da humanidade e Adolfo Hitler e Stalin sempre apostaram em soluções moralistas para todos os problemas não só dos seus países bem como o do mundo. Hitler desejava exterminar judeus, ciganos negros, comunistas, deficientes físicos e mentais e todos que não tivessem a pureza podre do seu ideal de raça e sociedade, Stalin se fez deus e matou milhões de pessoas de fome, viveu sua paixão militarista e assassina deitado nos lençóis podres do moralismo, psicopata quando matava alguém oferecia flores à família da vitima.
Todo discurso que polariza nossas vidas entre o bem e mal é perigoso, moralista e facínora, além de excluir a justiça das nossas relações cria modelos sobre os quais são assentadas as bases de uma sociedade que julga pelos preconceitos mais rasteiros.
Os réus do mensalão, os tais “doutores” que a polícia não bate ou fuzila, frequentam igrejas, não bebem em botecos, se dizem cristãos e são amigos de poderosos juízes, promotores, advogados, controlam jornais e sabem como formar um modelo de cidadão ideal que mesmo pego cometendo crimes será perdoado não só pela justiça bem como por parte considerável do povo,
Muitos são políticos eleitos pelo entusiasmo ou pela corrupção do povo que se fosse no tempo do império seriam donos de escravos, não entanto fazem parte da elite diretiva do país. Homens e mulheres vestidos em seus ternos caros e importados, cabelos sempre em gel, olhar suave, estão sempre no poder, quando se aposentam deixam seus filhos e os filhos dos seus eleitores que garantirão a perpetuação das suas riquezas bem coma a da miséria na vida de milhões de pessoas.
Não há crime maior que julgar uma pessoa por sua etnia, cultura, religião ou aparência. Etnia, cultura ou aparência não cometem crimes, quem comete crimes são pessoas, e mentes criminosas não é privilégio de povo algum, os seres humanos são os animais mais assassinos da natureza, por isso, mesmo com a justiça natural da vida finita (morte para todas espécies), criamos a justiça artificial do direito para nos protegermos de nós mesmos.
Os maiores atentados que a humanidade cometeu contra si mesma: a quase extinção dos índios do continente americano, a escravidão dos negros do continente africano, a morte de milhares de judeus e agora o ódio contra o povo muçulmano, tudo isso além da selvagem sede por poder e do roubo das riquezas tinha como base o moralismo e desrespeito as culturas desses povos.
Os maiores criminosos desse país não assaltam pelas ruas, não usam piercing, não se tatuam, não vão a festas populares, não são cabeludos como eu, não bebem vinho barato como eu, os maiores bandidos desse país não se parecem com gente, porque gente erra e eles gritam para quem quiser ouvir que são santos, quando são presos ficam pouco tempo na cadeia porque um juiz vai entender que mesmo eles tendo provocado a morte de milhares de pessoas “não oferecem risco a sociedade”.
Pessoas são mortas neste país por serem gays, negras, nordestinas, pessoas gordas são vitimas constantemente de maus tratos e preconceitos, anões são alvos de tipo desrespeito, pessoas albinas tratadas com superstição, empregadas domésticas ridicularizadas em programas de TV, o candomblé sofre ataques terríveis por grupos religiosos na TV, a velhice é tratada como doença,quando fui trabalhar na Direc-31 disseram que era uma irresponsabilidade colocar um “roqueiro” no cargo, se eu gostasse de Chico Buarque seria uma boa indicação? Meu talento e inteligência são medidos por meus gostos pessoais? Quem pensa assim além de nazista é burro e ignorante, quer dizer por você gostar de pagode ou arrocha você não é uma boa pessoa?
Somos uma república na qual o preconceito e desrespeito a vida é a ordem e o progresso.
Ética, seriedade e compromisso coma vida não têm ligação alguma com meus gostos por música, minhas roupas, minha religião, minha etnia. De nada adianta brigar para carregar o andor de uma santa e depois se trancar em um gabinete para tramar maldades contra a vida de outras pessoas. Um judeu muito importante chamado Jesus Cristo classificou quem tem atitudes moralistas e falsas virtudes de “sepulcros caídos”, neste caso estou com Cristo, porque também estou farto de sepulcros caídos que me apontam com seus dedos sujos quando suas almas vivem no chiqueiro juntos com os ratos.







Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys