Entre Chás e lembranças


Foto:Ediney Santana
Esse fim de semana em Santo Amaro foi diferente, a velha rotina de bar ou convesas antigas no “Senado” da Purificação deram lugar a duas noite mágicas em que a poesia,talento e emoção de dois atores envolveu a todos que estavam no Solara Paraíso, um antigo casarão em que Santo Amaro é ainda recôncavo.
Edu O. e Lucas Valentim por duas noites me fizeram feliz, resgataram em mim a alegria de viver em Santo Amaro, me mostraram o quanto é possível sermos e estarmos de bem conosco e com a cidade na qual escolhemos ter raizes e guardar nossas saudades na pureza das nossas emoções.
Foram apresentados nos dias 13 e 14 de julho três maravilhosos espetáculos : Judite quer chorar: mas não consegue!, Odete traga meus mortos e Trocar imediata de Saliva e Suor. Três momentos diferentes que tinham entre si uma profeunda relação poética, nos levava ao riso e uma profunda relfexão imediata da nossa condição no mundo.
Em Odete traga meus mortos os dois atores atuam juntos, há um turbilhão de emoções em cena, ora somos tomados pelo drama, ora por uma alegira que surge e nos envolve sem piedade alguma.
Ode traga meus mortes é uma relfexão não sobre a morte , mas sobre a vida de quem fica e faz atráves das suas lembranças os mortos renascerem. A morte como personagem que não pode matar a si mesma, condenada a ter na vida seu algoz, sua pureza que também é dor.
A interpretação quase em stase dos dois atores faz Odete invadir nossos corpos, nos tomar em um transe profundo por vezes lisérgico, por vezes tão inocente como um domingo no parque e todos nossos mortos estão ali vivos para nos dizer coisas doces. 
Judite quer chorar.mas não cosegeu retrata um úniverso lúdico e desesperador, o ser que preso em si mesmo, cai sufocado em suas própria emoções. Edu O. traz o palco uma personagem que naufraga nas própria lágrimas para dizer que é feliz, para dizer que sofre e nesta felicidade que também é sofrimento sua vida renasce idefinidamente.
Lucas Valentim é um ator de paixões, personagem e ator se confudem.Em Troca Imediata de Saliva e Suor a pláteia é parte do espetáculo, nossas emoções são provocadas a todos momento, há um encontro entre ator, texto e pláteia e ficamos cada um entregues ao acaso de tantas emoções que por vezes temos puderos em revelar. É impossível assistir ao espetáculo e não sairmos tocados com tudo que ali se passou.
Troca imediata de Saliva e Suor é uma peça desafio tanto para o ator quanto para o público, é amor, ódio, solidão, tesão, sexo e poesia. Me senti como se estivesse em um bar e meu grande amor aparecesse, o grande amor que espero e não encontro,o amor que também pode surgir em uma mesa de Chá com canções francesas e balé de sentimentos.
Judite quer chorar, mas não consegue também é o título de um livro de Edu. O. Poderia dizer que é um livro para crianças, e é, mas também é para quem não se permite ao embrutecimento da vida e do passar dos anos. Termino essa crônica tomado de emoção, deixo para todos nós uma frase do livro, que essa manhã fria e cinzenta de julho aqui na minha pequenina Santo Amaro me deu esperança de um dia conseguir chorar, trocar salivas, re-visitar meus mortes e principalmente viver meus momentos de poesia.
“ A vida nos oferece meios para realizarmos nossos desejos”
ediney-santana@bol.com.br, http//:edineysantana2@blogspot.com




Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys