A ideologia vencedora

Fazer você perder todas crenças políticas e viver uma agonizante letargia cidadã é a única estratégia dos gestores da instabilidade social do país para se perpetuarem no poder. A ideologia da descrença é eficiente porque atua na negação política e na fragilidade das relações entre as pessoas e a estrutura do Estado.
Quando o presente é apresentado como única alternativa de tempo e neste tempo o futuro será apenas a sua reprodução, cria-se a ideia de que não vale à pena lutar, desejar mudanças porque qualquer mudança será uma volta ao mesmo estágio inicial que se desejou mudar.
Dessa mistura de ideologia gestada para que todos se sintam vencidos até entre suas mais sinceras crenças nasce à letargia cidadã, isso tudo leva para esse moribundo estágio de duvidar até dos próprios desejos quando deveria-se duvidar da estrutura política do país, se é vencido por um inimigo invisível, mas perigoso: a inanição política.
Inanição política é achar normal não ter médico no posto de saúde, achar normal que um bandido seja candidato e compre votos, inanição é chamar de cidadão alguém que vende o voto quando não passa de um medíocre integrante de uma facção criminosa, inanição política é achar que todos os políticos são ladrões, corruptos e na hora de votar ajudar a eleger justamente pessoas que deveriam passar o resto de suas vidas em um presídio de segurança máxima.
Deus não pede votos, Deus não faz parte de partido político algum. A ética, honestidade não tem sexo ou credo religioso, não é o cabelo, cor da pele ou roupa de pessoa alguma. Votar nunca deve ser um ato moralista e sim político e política sem ética é como religioso que mata e depois reza um pai nosso para sua vitima.
Nada é definitivo, mas a ideologia da descrença celebra a desgraça, a desordem e a falta de alternativa política como algo imutável. Aceitar o mundo como é e o pior sempre olhar para esse mundo com os olhos dessa ideologia da descrença é ter par com os sentimentos mais primitivos, é deixar de ser gente e passar a ser coisa.
Perpetuar a vida em um estágio, como se estivesse congelado no tempo é o que se tenta de todas maneiras essa asquerosa ideologia da descrença, tenta ela de todas maneiras nos faz reféns do desanimo, como se fosse melhor garantirmos as sobras dos seus senhores do que lutarmos pelo que temos direito.
A ideologia da descrença aposta no comodismo e na inércia, na aceitação das misérias como algo natural e que não adianta ser contra, aposta na ideia de que precisamos de heróis para nos proteger.
Nada pior para ideologia da descrença do que a contradição e duvida. Para os ideólogos da descrença o mundo deve ter um único pensamento, fé, sexualidade, música, cor, deve ser unitário e com um comando central. Negar tudo isso, usar da contradição e duvidar me parece ser a única chance de sermos para além de pessoas, cidadão.










Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys