Pular para o conteúdo principal

Os Esquecidos dos Bondes

O memorialista e cronista Tute Pedreira acaba de lançar “Os Esquecidos dos Bondes”, um delicioso volume de crônicas que nos leva ao universo saudosista-mágico do autor, apresenta um recôncavo não oficial, com personagens do povo e animais como mulas, jumentos, bois, éguas e vacas quase que humanizados e sendo eles também protagonistas de muitas histórias e aventuras inverossímeis, mas o autor jura que aconteceu e ele mesmo e testemunha dos fatos narrados.
Os Bondes da Trilhos Urbanos (serviço coletivo de passageiros de Santo Amaro) foram eternizados em uma canção de Caetano Veloso, na crônica que também é o nome do livro Tute Pedreira nos diz: “ Assim , fico por aqui, lembrando aos saudosistas que sem os burrinhos, os bondes não andavam”. E é lembrando dos esquecidos que Tute re-ver sua vida, infância, adolescência e maturidade tudo com bom humor, na prosa de Tute não há espaço para tristezas.
Em Os esquecidos do Bonde desfilam nomes como: Beto Fubuia,Isolda, Ariston Batureba ,Joaquinzinho da Cangalha,Chico do Bode,o inesquecível Bodaça (e seu brega), Otávio Mão de Vaca (seu parceiro em aventuras e desventuras etílicas),Lalau,Mimi Boa Franga, Zé Feijó,Pinto Gato-Gordo,Nego Exun e Cabuiti são alguns passageiros desse Bonde e representando a bicharada o espetacular jegue japonês Nataka Tushia tarado e vil por natureza.
Neste Bonde não há espaço para figuras tradicionais de Santo Amaro e do recôncavo como barões ou personalidade sacralizadas pela literatura oficial, aqui está o recôncavo e sua gente por trás das estrelas, que cultivam a terra, vivem a vida pela vida, pela ação do sobreviver a cada dia, gente simples do campo, das usinas, da labuta nos pastos, que se divertem com uma simples corrida de jegue ou com um pandeiro e uma garrafa da cachaça.
Tute Pedreira é de família tradicional aqui de Santo Amaro, conhece os dois lados dessa gente, mas escolheu viver a paixão do lado mais simples, o lado que o transformou em escritor e o mais importante, que o levou a registrar de maneira sublime e despretensiosa algumas passagens desses personagens que fazem à história, mas acabam por não entrarem no Bonde dessa mesma história. O povo é o singular de muitas paixões, os heróis por sua vez têm nome e sobrenome e poucas vezes são questionados se são mesmo tão importantes como foram eternizados pela tradição histórica.
Então Os Esquecidos dos Bondes faz justiça a essa gente morena cortadeira de cana de açúcar, vaqueiros, donos de bodegas, seresteiros, trabalhadores de todas às horas que aqui foram reunidos para uma deliciosa prosa regada a cachaça, viola e muita saudade de um tempo que continua no gerúndio nas periferias e roças desse Brasil sem bondes ou trilhos.
http://edineysantana2.blogspot.com ediney-santana@bol.com.br.







Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…