Pular para o conteúdo principal

Ao luar com alegria

Nedina Santana
Ontem morreu minha tia Nedina Santana. Viveu a vida toda no mesmo lugar: nos sertões da Bahia, foi vivendo com seus tantos filhos, netos e bisnetos até que o câncer a levou sem antes tortura-la em dores profundas. Qualquer doença fica mais terrível quando se é pobre, pior quando se é pobre e se vive em um país como nosso no qual “pobre” é o nome genérico para definir pessoas que tem quase importância zero para o governo.
Ser pobre, ganhar um parco salário por mês, não me envergonha. Minha condição social não me faz sentir vergonha alguma, sou um batalhador pela vida e como o pão com o suor honesto do meu rosto. O que me envergonha é saber que pouco a pouco sou vencido pelo meu próprio país, que as senzalas do passado agora são outras, erguidas pelas mãos de um Estado parasita que se nutre dos nossos sonhos e esperanças.
A inércia do governo brasileiro em resolver nossos graves problemas de saúde, educação e segurança é fruto de uma política nazista de sustentação no poder de muitas facções criminosas acoitadas em quase todos partidos políticos desse país. Deixam-nos morrer, nos deixam na sempre esperança de dias melhores e celebram nossos funerais com seus risos cínicos e discursos encomendados repletos de frases feitas que debocham das nossas dores.
Certa vez uma amiga minha, Marly Bitencourt, me corrigindo disse que não somos pobres, somos empobrecidos. Sim ela ta certa, não somos pobres somos empobrecidos artificialmente pela articulação de um Estado que para engodar seus parasitas nos mata, nos rouba, nos escraviza.
Todos os dias pessoas como minha tia Nedina morrem não necessariamente por doenças, mas pela ausência de tratamento público ou um tratamento medíocre baseado paliativos e não cogitam cura alguma. Acho constrangedor ler no jornal magníficas descobertas da medicina, acho constrangedor porque essas magníficas descobertas não vão chegar aos hospitais públicos, não vão chegar não por falta de recursos financeiros (pagamos uma altíssima carga tributária e milhões de reais estão supostamente investidos na saúde pública) não vão chegar porque a meta do governo não é nos oferecer tratamentos decentes a pessoas como nós e sim paliativos, para nós o governo diz ser caro em demasia alguns tratamentos, mas para turbinar o bolso de milhões de bandidos com esse mesmo dinheiro o governo faz vistas grossas.
Lamento por tudo isso, pelo fracasso da nossa nação ilhada em egoísmo, pela morte trágica dos sonhos e esperanças, pelas diferenças sociais falando mais alto que o amor e compaixão, pela cultura usada para separar e não unir, pelo labirinto em que o bem parece ter se perdido enquanto o mal nos corteja a cada esquina, pela ausência de solidariedade, pela tragédia de um Estado sem traço algum de humanidade, pelo espírito vencido pelo materialismo.
Ficou aqui com boas lembranças da minha tia, ao luar no quintal da minha casa no Sacramento escrevendo e pensando que talvez seja justo em algum lugar pessoas boas ao morrem se encontrem sem dor, sem tristeza. Talvez neste momento minha tia Nedina  esteja com seus pais, com minha tia Maria e meu tio Norato seus irmãos, com meu pai e tantas pessoas boas que se foram pelas mãos de tantas dores.



Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…