Pular para o conteúdo principal

“Céu de Santo Amaro”

A ignorância de um povo se mede pela sua estupidez e não por uma palavra escrita certa ou errada ou se a pronúncia de uma palavra foi respaldada pela “norma culta da língua”. A língua do maucaratismo, da falta de vergonha na cara, da promiscuidade social e da presunção desconhece gramáticas.
Atitudes éticas não tem nível ou classe social, pode- se ter atitudes éticas vivendo embaixo do viaduto ou em uma mansão, assim como também o maucaratismo não tem fronteiras sociais.  O problema é que nossas relações sociais são cada vez mais pautadas pelo que cada um tem e não pelo que em essência cada um representa.
Essência de cada um? Na regra posta neste tabuleiro repleto de mediocridades na maioria das vezes pouco importa se essencialmente se é um facínora ou um bom coração, vale o que se tem, vale quanto lucro se pode ter em um relacionamento, nada que não possa capitalizado é levando muito a sério.
Nossas relações sociais tem se deteriorado com a mesma rapidez que perdemos o respeito com nossa própria história enquanto pessoas, gente e cidadãos, a vida perde seu próprio sentido que é existir para além de nós e cai-se na áspera alegoria de que vivemos para pessoa alguma, nos nivelamos às coisas.
Cada um fazendo-se ilha de si mesmo, naufragando na ilusão de que se é impossível ser feliz para além do que não for ganho, lucro ou perspectiva financeira. Morremos algemados a indiferença que impomos entre nós e o amor.
Calma o mundo não acabou, e como dizem os antigos da minha família: o mundo nunca acaba quem acaba somos nós. Em pequenas ações vejo surgir bons corações, se nos anos de 1960 queríamos mudar o mundo, agora mudar nosso comportamento dentro de casa, na nossa rua, não revistar velhos erros, cuidar das árvores da praça, tratar o outro com mais solicitude, tudo isso tenho visto por aí. Nossa percepção individualista de vida vai se transformando em algo positivo.
Redescobrir o prazer de simplesmente sermos, aceitar a fala do coração, dizer não a imposição gramatical os sentimentos para o ferro e fogo que tenta a todo custo matar nossa essencial emoção que nos alegra neste viver para nós sem nos punirmos por vivermos também para o outro.
Talvez seja possível um socialismo do ser pelo ser, um socialismo que não aposte na luta de classes, mas na buscar pela harmonia das pessoas enquanto pessoas. No fim aprendemos que todas classes vivem em guerra com elas mesmas e com tudo que não for espelho das suas expectativas.
Não tenho a ilusão de uma humanidade harmoniosa cheia de anjinhos de cristal. Nada disso. Os conflitos fazem parte da nossa natureza, o que advogo é que nesses conflitos sejamos honestos e leias com nossa própria condição de pessoas, vivemos na luta pela sobrevivência, mas não é preciso fazer disso palco para nossas psicopatias artificiais, aquelas loucuras que nasce da estratégia de dominação e humilhação do outro.
Bem, por hoje é só, enrolo minha gramática pessoal, fecho meu teatro, vou ao Bistrô do Miúdo beberica solitariamente minha cerveja e olhar o céu de Santo Amaro.
ediney-santana@bol.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…