Shrek, meu amor divino

Uma visão romântica e idealista da vida é sempre bem vinda, foram e são românticos e idealistas grandes reformadores do mundo, pessoas que surgem e conseguem mobilizar multidões seja através das artes, política ou religião. Românticos e idealistas vivem por causas não por coisas, não se enquadram, não se adaptam para conseguirem o que querem, por isso muitas vezes tem suas vidas tumultuadas e tantas outras vezes nem vivem para o prazer de presenciarem as mudanças que tanto buscaram.
Uma visão idealizada da vida ou inocente de que tudo apenas com nossas boas vibrações vai mudar ou que basta o esforço pessoal de cada um para se ter sucesso nem sempre é uma ideia correta, ter boa vontade, pensamentos positivos são bons, mas só essas coisas não vão nos ajudar ir muito longe. O mundo não vai se abrir para nós apenas pelo nosso esforço pessoal, são muitas combinações de fatores que nos levam ao  sucesso, o esforço pessoal é um desses fatores.
Odoro o ogro Shrek, o do desenho animado, há aspectos na vida dele que lembra minha própria vida, aspectos que estão nas entrelinhas do desenho. O desejo de Shrek era muito simples: viver feliz em seu pântano com sua solidão, até que encontra a princesa. Seu desejo agora é: ser feliz com sua princesa em seu pântano ou em qualquer lugar que isso seja possível.
Mas, Shrek é ogro, a negação do status  social. Ao escolher viver sozinho no pântano Shrek desejava evitar problemas, sua aparência era motivo de medo, terror e escárnio por parte das pessoas “normais”, Shrek decidiu que a única possibilidade sua de ser feliz era se isolando em um pântano triste e feio.
Shrek não foi um covarde ou coisa do tipo, apenas sabia o quanto sua vida seria sempre de tribulações. Estava na sua cara, em sua cor o caminho para ser sempre perseguido, ao escolher viver no pântano, escolheu idealizar um mundo para si, um mundo romântico em que ser feliz seria possível.
Shrek não queria reformar a sociedade, não desejava mudar nada, Shrek só queria ser respeitado, que alguém antes de lhe dissesse não ouvisse o que ele tinha a dizer, Shrek só deseja viver em paz em um lugar no qual sua aparência não fosse motivo de tantas aporrinhações.
Ninguém ama a primeira vista pessoa alguma, pode-se “amar” à primeira vista o que essa pessoa representa, se é bonito, se tem algo que o coloca a cima das demais pessoas. Não sejamos tolos, o amor é um sentimento social, pautado por relações sociais mais que afetivas, ninguém ama embaixo da ponte, não sejamos tolos, nós somos o que representamos, a aparência precede a essência e isso é trágico para corações românticos ou idealistas.
http://ediney-santana@bol.com.br
  

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys