Pular para o conteúdo principal

Eu profundo e outros cactos

Li na apresentação do livro: “Fernando Pessoa O Eu profundo e os outros Eus” da Pocket Ouro, pág. 28 o seguinte texto: “o tipo de uma quase incomportável preponderância do espírito, lúcido, imaginativo e triste, enleado de angústia e solidão, enormemente insatisfeito e, no entanto parado à tona de qualquer realização mundana satisfatória.” Isso foi dito sobre personalidade de Fernando Pessoa e não sobre sua arte, por isso ouso a dizer aqui que é também uma perfeita descrição da minha personalidade.
Às vezes há de se pensar que alguns sujeitos estão sempre como no primeiro dia do seu nascimento entre a dor e alegria, inconstantes como a noiva que deseja o noivo, teme a primeira noite que pode ser seu prazer, mas também pode ser sua agonia em descobri que amor idealizado é amor subvertido pela vivência concreta.
Quem vive encarcerado entre a realidade e as aspas de quebrar vidraça pode correr o risco de se transformar em uma ficção de si mesmo, como disse hoje a uma amiga. Talvez seja esse o meu maior medo, ser uma vida romance de um único personagem.
Ora bolas, quero é purpurina sobre minhas dores medievalescas, algum sentido e andar pelas ruas da Purificação sem o medo de renascer espinho a cada dia neste coração poeticamente canibal.
Bebemos aos vivos, os mortos não podem mais se embriagar, devoram-se as horas e não ao tempo, quarenta dias como uma única e grande idade média sem igreja ou deus, mas de mãos dadas com o diabo que nos traz a luz da alegria.
Hoje meu corpo é divagação, grandeza concreta de que não se pode ser muitas coisa além da poesia vasta do nada, quero é o corpo da mulher desalmada que dança ciranda sobre a pele masculina sem ação. Rosa roxa do meu carnaval, vem sambar quando tudo é vento, pingos de chuva sobre o telhado, eu amor dos dias nos quais sou todo meu como o céu é do acaso.
O corpo é flor que se abre para a língua a se afogar no sal para salvar-se da sede, porque o gosto do “amor” é salgado, bebe-se a alegria tremula nestas vogais quase mudas, roça-me a pele entre suor e saliva a se permitirem do corpo o desejo profundo do gozo.
O ninho farpado em pelos nos diz o quanto estamos na emoção de sermos um no prazer devorador de dois, a cama não é fronteira para nada, a cama é o mundo que nega a alma e profana a delicadeza da carne, quem se entrega ao ninho farpado não busca delicadeza, busca ter e se permitir corpo e desejo.
Sinto teu cheiro na água a correr pelo meu corpo, nos lençóis quase pelo do meu corpo. Olhos devoradores, estou tão em você que já não me reconheço quando ao meu lado o vazio me estende a mão, teu corpo sou eu na beleza de dentro de você ser completo. O cheiro forte e puro no ar desse dia é o teu cheiro devasso, romântico e lascivo, me excita o fogo do teu ri nu convite para duas carnes tornarem-se cúmplices dessa alegria canibal.
Acalma-me a alma como uma valsa antiga em gramofone, anjo virtual dos meus dias em sol e solidão deste recôncavo de tantas tristes ilusões. Não há música de Amado Batista “Por essa madrugada/ a fora / deu beijo no amanhecer/”, mas há sonetos medievais e folhas secas sobre meu peito nu para  dias longos e noites curtas.
Não é tristeza ou alegria, apenas se é o que se nasceu para ser, como bem disse as três irmãzinhas cantadoras cegas da Paraíba no inesquecível documentário “A pessoa é para o que nasce”. Então nascei para a eterna possibilidade de ser e ao fim esperanças servidas no tempo finito do esquecimento.
Hoje minhas emoções são poeiras, vêm de longe, nem sexo ou amor, apenas emoções repletas de poeiras, mas são emoções. Há certa elegância em está sempre para ser, o horizonte mesmo em seca caatinga tem algo de belo, mesmo entre emocionadas poeiras e livros de Fernando Pessoa lidos na madrugada de sempre.

ediney-santana@bol.com.br

http://edineysantana.zip.net

http://edineysantana2.blogspot.com

 





Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…