Pular para o conteúdo principal

Febre

C.Senador Pedro Lago com a amendoeiras ao lado, meu tempo feliz
Não me traga remédios, hoje quero a febre em vinho tinto de fel e amêndoas, amêndoas daquelas do pé que fica perto do Colégio Senador Pedro Lago, são amargas como todas amêndoas, mas me lembram a infância em que a febre era só sintoma de uma gripe tola. Às vezes olho pessoas na rua e penso que algumas nunca deveriam morrer, eu não, devo morrer todos os dias, perder as cascas como uma barata desses de rua, até não sobrar mais nada, nem um verbo teimoso na ponta da língua estúpida.
Há muitas maneiras de cometer suicídio, uma delas é cultivar dores, dor sobre dor, ir provocando inflamações no corpo até que um dia alguém nos encontre deitado na cama, olhos ao nada. A humanidade não ta nem aí para essas coisas que morrem, mas algumas pessoas fariam festas, farão festas.
Deito e olho para estrelas, tão distantes e tão próximas, nas estrelas há a escuridão da luz e o absoluto do silêncio, o medo não tem sentido algum quando se está decidido pouco a pouco escalar astros e morrer na escuridão das estrelas.
O que deveria nos fazer gente é a não crença, mas insistimos nisto de sociedade e de bons sentimentos, deus é nossa carta coisa mais exata, ser pessoa é possível só quando não existimos mais para nossas cascas e vernizes.
Às vezes penso que morri há muitos anos e tudo não passa do limbo em que estou preso entre minha casa e a Praça da Purificação, imagino que todos são como eu: um rascunho fantasma, um mundo sem dor, moral ética ou razão, um mundo que sempre começa meia noite e termina às seis da manhã.
O absurdo da vida é essa ilusão de que se pode ser feliz sozinho, o absurdo da vida é acreditar na sinceridade virtual das pessoas ou nas suas mentiras reais e concretas, como diz Jorge Boris: "acreditar que os outros são sempre a boa intenção e não entender que o outro também pode ser o sórdido", nos vermos sempre como o atraso e o outro salvação nos condena a sempre errar.
Inflamação sobre inflamação, alma e ossos, tempestades pessoais, não ficar além da mãe, ter nos olhos a emoção necessária para andar, abraçar e não ser um quebra ossos, confiança não se perde duas vezes, confiar é se permitir no outro a alegria da vida, fora isso apenas baratas e suas cascas.
Nada nunca é o outro, o erro vem de mão única. Hoje o cemitério estava bonito, cheio de flores e pessoas com suas culpas inocentadas por não serem de fato mais pessoas. O tempo é meu deus e a ilusão mais sentida.
Tenho flores, amêndoas, jornais, dentes sem risos, amores sem amor, orquestra sem maestro e febre, nada é mais castigo que febre rasgando a alma e nunca mais ouço canções francesas e nunca mais serei o melhor amigo de pessoa alguma, meu melhor amigo será sempre arme farpado na ferrugem dos dias sem paz.
Fogos na rua, gritos de crianças, cabelos ao vento, violão que não toca mais, minha gata cada vez mais magra e triste, meus dias cheios de poeira, nascimento para o parto das dores: coração ruim, estômago ruim, sexo sem sexo e uma alegria que só há quando olho para a escuridão das luzes das estrelas.
Escutei hoje U2, with or without you, cinquenta e cinco vezes e não bebi nada além dessa saliva áspera, canta canta e não sinta compaixão, às vezes flores nascem no esgoto, às vezes não, nada dói quando além nada há para doer, sejamos breves como borboletas no jardim, mas sem machucar ninguém, não machucar ninguém, a única coisa realmente sincera que o Cristo nos ensinou: amém.





Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…