Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro 30, 2012

A pena do sempre

Talvez seja o gênero a única coisa que para sempre viva, o gênero sobrevive ao indivíduo. Nós morremos, o gênero humano não. Ao menos por enquanto nossa espécie vai continuar sua caminhada por aqui.
Uma planta, um sapo, eu ou minha gata a brincar inocente no quintal entre as folhas secas somos todos passageiros, solitariamente passageiros enquanto indivíduos, mas o gênero que cada um pertence não, não por enquanto ao menos não nesta nossa geração. A grama vai continuar crescer, crianças nascerão e há sempre algumas flores na praça. Criamos a arte na tentativa de nos deixar um pouco mais pelo tempo da memória e traçarmos um dialogo com o futuro, a arte é uma maneira de estarmos aqui como gênero humano. Na impossibilidade de sermos nós sempre indivíduos vivos a arte nos revive nas paixões alheias enquanto naufragamos nesta periférica existência. O centro é o gênero, o resto é periferia. Preservar nosso gênero e o gênero das outras espécies é participar positivamente da construção da nos…