Pular para o conteúdo principal

Adestração pública

Por que a educação pública é tão ruim? Porque é feita para o povo e o povo não é cidadão. Povo é um aglomerado humano de alegria fútil e perspectivas sociais rasas, o povo é a mula da elite financeira e política, presta-se com dedicação ao servilismo, aceita passivamente migalhas sociais enquanto seus lideres vivem como reis, o povo aceita uma educação miserável porque coloca sua vida nas mãos de “heróis”, “heróis” quase sempre criminosos e diplomados no poder pelas bênçãos desse mesmo povo.
A educação pública é ruim porque os governos sabem o povo que tem e que sempre quer ter, povo de perspectiva humana tacanha, que ri das próprias misérias quando deveria se indignar, os governos tratam o povo como idiotas e povo aceita de braços abertos, os governos governam apenas com a esperança, mantém o povo na lama dessa esperança imunda, o povo espera por dias melhores que nunca chegam, o povo é viciado no futuro por isso aceita esse presente podre e absurdo.
A educação pública é ruim porque há gestão para o lixo pedagógico, para o adestrar no lugar do ensinar, do fazer sem pensar. Educação pública é ruim porque o povo sustenta o parasitismo público. O povo nega a própria cidadania quando usa sua própria miséria como moeda de trocar social, quando deveria varrer do poder governos parasitas.
Não há esquerda ou direita no Brasil, todos tratam o povo da mesmíssima maneira, vendem as mesmas ilusões, tratam o povo como idiotas , esses lideres de almas podres são levados à condição de "heróis", “doutores” da ordem e do progresso pelo povo.
Sociólogos a serviço de governos, são falsos sociólogos, criaram a ideologia do povo é alienado e que seus governos são protetores e redentores desse povo, pura demagogia, sociólogos que interpretam a sociedade de dentro de partidos políticos, de cargos governamentais são desleais intelectualmente, defendem mesmo são sistemas de governos que para se manterem devem manter o povo sempre no limbo social.
A educação pública é ruim porque os governos não fazem choque de gestão administrativa e pedagógica, permitem no sistema professores que não cumprem o papel principal que é ensinar, é ruim porque permitem que alunos façam da escola praças de guerras protegidas por leis que ensinam desde cedo o valor da impunidade, a vitória do crime sobre a cidadania. Educação que não valoriza a meritocracia e sim o apadrinhamento político.
Aceita-se a municipalização como se fosse algo normal, municipalização que em muitos lugares só facilita a ação das máfias na sangria dos recursos públicos das nossas pobres escolas. O povo não é alienado, em muitos casos é cúmplice. Para se revoltar não é necessário diploma, a dor é igual para todos, não é possível que diante tanto horror o povo pare para assistir um modorrento BAxVI enquanto nossa juventude é exterminada mesmo antes de chegar na escola.



Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…