Pular para o conteúdo principal

O problema é a questão

A doença que mais mata no país é a indiferença social do próprio povo para consigo mesmo, como se fossem imunes às próprias dores marchar-se para o abatedouro público gerenciado por memoráveis abutres. Marcha o povo para seu calvário sem demonstrar tristeza, revolta ou algum tipo de sentimento que nos possibilite identificar seres humanos em completo controle das próprias vidas. Cantam o hino do seu time de futebol, que é seu coração, porque a alegria do povo é tão previsível quanto dois times medíocres disputando um BAXVI, o flagelo social tem como base o povo, cada vez mais povo e cada vez menos cidadão.
Tudo que for ruim no seio do povo chega com mais intensidade, assim como a felicidade chega fragmentada, ao povo toda esperança e negação histórica do seu próprio passado, o povo vive tão somente o futuro, seu presente é cultuar a esperança assassina dos seus demônios políticos, a memória é a maior inimiga da política brasileira, o povo vive sem memória, desconhece a própria história pessoal e aplaude com entusiasmo quando à polícia mata um ladrão de cuecas, entusiasmo potencializado quando vai as urnas votar nos mais genocidas e perigosos bandidos do mundo que é a soma de quase todos políticos brasileiros.
A tese da Alienação pensada por Karl Marx deve ser revista, nem a todos os povos pode ser aplicada, Karl Marx era cientista social, certamente ficaria fascinado em saber que no Brasil o povo não precisa de nenhum ditador para ser coagido, que no Brasil o próprio povo se martiriza desde que tenha uma música tocando em que mulheres possam “descer até ao chão” rasgando seus ventres na emudeci de uma vida culturalmente medíocre e sem propósito, desde que aparentemente levem vantagem em algo, desde que a desgraça sempre esteja na casa do vizinho.
O povo brasileiro pensa que é espertinho, engraçadinho, felizinho e por isso mesmo carrega o próprio andor das dores pensando sair no lucro quando nunca vão passar do inferno em que vivem, as desgraças desse país vem de um povo que não se entende como nação, que nega a natureza do Estado como base da democracia é por isso que por aqui notáveis canalhas são elevados à categoria de santos, o Estado brasileiro faz o que qualquer vereador de esquina faz: assistencialismo, a maneira pós-moderna do velho voto de cabresto, quem tem cabresto sabe também o povo que tem.
Um Estado mistificado no deliro de partidos pervertidos que de tão alienados entre o dinheiro e o poder como um fim em si mesmo veem a si mesmos como um Estado messiânico quando não vai além de um Estado demente e inoperante.
O Estado brasileiro há muito perdeu sua autonomia, decorativamente temos a presidência da república e os mais dois poderes ausentes efetivamente da vida concreta do país, o Estado brasileiro é gerenciado por perigosas organizações que aqui chamamos “empreiteira”, “empresas”. Enquanto bons empresários trabalham duro neste país, as norco- empresas sangram nossas veias, ganham licitações milionárias para não construir nada e se por acaso essa corja for presa nem algemas vão usar, temos a “lei” da algema, símbolo máximo  de uma país no qual a ordem inversa impera.
É um erro colocar todas responsabilidade desse abismo social na conta de políticos ou narco- empresas, é uma tolice pensar assim, a base disso tudo vive no coração de uma povo que insiste negociar sua cidadania, por isso mesmo não reage, não cobra, porque sabe que não pode colocar um dedo na cara de uma       “autoridade” e lhe exigir ao menos respeito, porque negociou com essa mesma “autoridade” seu voto, sua cidadania.
Se o povo desejasse e tivesse autonomia política para isso em poucos dias nasceria um novo Brasil, mas quem quer o novo Brasil? O Velho e bom Brasil serve muito bem para todos que aqui vivem: “Carpe Diem
http://edineysantana2.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…