Esperança

A gente ama e continua vivendo no amor por quem amamos, a gente vive bem quando não vivemos só para nós, quem vive para além de si tem par com o bem, seiva do bem e no bem sermos a ponte para tantas alegrais e tantas outras pessoas que na maioria das vezes nem sabemos que são.
Todo dia o sol nos diz que estamos vivos, o vento simples da manhã nos alegra os pulmões: obrigado sol, luz, água, estrelas e noite vocês me dizem que estou vivo. Todo dia me alegra olhar minha mãe vivendo na poesia simples do homem que ela me ajudou ser.
Ando pelas ruas e sou tão feliz no coração simples que sou, coração simples como uma flor amarela a nascer na pedra no quintal da nossa casinha.
Quem nunca teve muito sabe amar o pouco que tem e faz da alegria de comprar o pão ao fim da tarde a vida que renascer em risos e contentamento profundo.
A gente nasceu para amar, como o riozinho Subaé a correr para o seu descanso no mar e eu descanso em paz nos braços do desejo, para quem é sozinho às vezes a sensação de felicidade basta, mas sempre há algum coração que queira outro coração simples como orvalhos da madrugada.
Meu coração é um campo florido em verde esperança, doce esperança é não se deixar abater, caminha para sempre ter na vida sentido.
Como na canção do Chico Buarque e Pablo Milanês: “o que brilha com luz própria nada pode apagar”, então todos temos luz, a luz se faz aqui presente quando  triste consigo sorri para as dificuldades e começar tudo novamente.

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys