Inveja

Inveja é a admiração doente. Admiração saudável é enxergar em determinada pessoa qualidades e virtudes que fazem dessa pessoa um ser diferente, admirável, aplaudi-la por isso e até mesmo tê-la como exemplo.
Inveja é o sentimento incomodo de saber que o outro é um modelo de sucesso e não aceitar isso, pior, desejar o fracasso do outro por não saber fazer da própria vida um sucesso. O invejoso odeia o outro por esse outro ser tudo que ele tentou ser e não conseguiu.
Adoece de inveja quando se tem a estúpida consciência de que outra pessoa é a barreira para conseguir se realizar na trama social que deseja para si, por entender que esta pessoa roubou o que lhe pertencia, o outro passa ser responsabilizado pelo fracasso pessoal do invejo e seu alvo para todo tido de vandalismo e tentativas de destruição.
O invejoso perde a capacidade da auto-reflexão, para ele o culpa sempre é do outro, tudo que perdeu perdeu por ser boicotado pelo outro por isso sente inveja da vida desse outro e a deseja para si como não pode tê-la trama em destruí-la.
Presunção é viver sem levar em conta a presença de outras pessoas, regras ou leis. Para o presunçoso ele é a regra e a lei, em seu delírio o presunçoso não tem sentimento social, não escuta, apenas fala e em hipótese alguma aceita o contraditório.
Inveja e presunção quando somada-se temos a arrogância. A arrogância é o primitivo das relações, o “eu” totalitário sobre qualquer pessoa que se recuse a dizer amém para o salmo mesquinho e controlador do arrogante.
Nossa sociedade adoece, podre, comete suicídio em massa. Suicida-se a possibilidade de amor e justiça, civilidade e fraternidade, assim para uma sociedade doente eu sou o que tenho e irão “amar” em mim apenas o que tenho e nunca o que sou, o que sou pouco importar se não tiver o verniz do dinheiro ou poder.
Se você tem um carro de cem mil reais, há uma grande possibilidade de “amarem” o teu carro, o teu “sucesso” e não você, se por algum motivo perder o seu carro e passar a andar a pé será invisível para a maioria dos olhos, porque em verdade você nunca foi enxergado, apenas o que você tinha era visto.
Nossa sociedade presunçosa, invejosa e arrogante sofre de demência afetiva e dementes afetivos são muitos perigosos principalmente porque parecem pessoas altruístas, estão sempre rindo e estendendo os braços, te convidando para comer caruru e maniçoba e no fim estão desejando que você se exploda, porque querem o que você tem e não você.
O essencial não conta, vale o superficial. Tem sexo fácil, “amores” fáceis, “amigos” fáceis, convite para festas fáceis quem tem na superficialidade coisas que despertam inveja e cobiça dos abutres de plantão. Para um sociedade de dementes afetivos dinheiro dá mais tesão que qualquer corpo bonito, suas emoções são só servem, neste cotexto, para ser manipuladas e você descartado quando na sua superficialidade nada mais poder ser desejado ou cobiçado.
A soma final disso tudo nesta guerra de dementes é essa nossa sociedade doente e que aposta nos absurdos para continuar exercendo seu grande papel individualista e decadente. Não se percebe que a ideia de “farinha pouco meu pirão primeiro” não faz sentido e nunca fez, porque para o faminto quem tem farinha pouca não é um cidadão é uma coisa que pode matar sua fome e com coisa vai ser devorado.
Ao perdermos esse sentimento coletivo, perdemos também o sentido de estarmos aqui, na angústia caiamos , adoecemos espiritualmente, Deus passa a servir ao homem e mulher, a religião perdeu o sentido espiritual, a política esvaziada da sua beleza serviçal, o poder passa ser um fim em si mesmo e o Brasil uma república de idiotas alguns ricos outros pobres, mas uma república de idiotas.
Inveja, presunção e arrogância é a santíssima trindade do nosso fim. A esperança, como escreveu Mário Quintana, é um urubu pintado de verde. E é nesta esperança que muitas pessoas apostam para viverem a grande ilusão de que teremos dias melhores, não acredito nisso, mas ainda acredito no amor puro, na beleza das mãos que se entrelaçam apenas pelo calor do corpo, dos corpos que fazem sexo pelo prazer do sexo e dos corações que se amam pela beleza do amor.

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys