Pular para o conteúdo principal

Yoani Sánchez

Yoani Sánchez certamente é uma das personalidades mais corajosas da atualidade, usa seu blog* para denunciar a estupidez do governo Cubano que através dos irmãos “Castro” se apossou da ilha como se tudo ali fossem da propriedade deles, incluindo o povo.
Depois de muitas tentativas de sair de Cuba, o governo Cubano autorizou (pressionado internacionalmente) sua viagem ao exterior, no dia 18 de fevereiro ela chegou a Salvador, foi recebida com alegria por algumas pessoas que não se intimidam com o totalitarismo demente que toma conta da América Latina sobre o disfarce de governos sociais e dedicados a causas nobres como a de reparar anos de exclusão social, o que é uma mentira.
Mas... Nem tudo foi festa em Salvador, um grupo neofascista xingou Yoani, criou tumulto, tentativa de agressão física, puxaram-lhe o cabelo e tudo isso temperados com gritos de: “Viva Cuba!” e que a Yoani é agente da Cia, me façam o favor, da Cia são vocês, Cia ordinária de desmonte do país com seus debates insanos e seus discursos enfadonhos, Che Guevara daria palmadas na bunda de vocês e mandariam para casa.
 Yoani Sánchez veio à Bahia para o lançamento do documentário Conexão Cuba-Honduras” no Museu Parque do Saber na cidade de Feira de Santana, e foi em Feira que senti vergonha de vez da falta de educação e condição de debate intelectual aqui na Bahia e que certamente vai acompanhar a Yoani Sánchez por todo país.
A exibição do documentário foi suspensa diante tanto horror e balburdia provocada por membros de entidade estudantis que se diziam representantes da “esquerda brasileira”, de um lado uma acuada mulher, visivelmente assustada com a miniestação do que ela mais combate em Cuba: a intolerância política e de Jovens imbecis que desejam um socialismo mórbido em que o povo seja sempre povo e nunca cidadãos, enquanto eles fazem parte de uma elite politica que enriquece a custas da miséria desse mesmo povo.
Deveriam fazer protestos contra o aumento de 300% nos assassinatos de jovens negros no Brasil, deveria protestar contra o abandono do sistema único de saúde que segrega e mata por falta de atendimento médico milhões de brasileiros por ano, deveriam se manifestar contra as cotas que não passa de um verniz moribundo de inclusão educacional, enquanto a educação pública de base é destruída e não há um só plano de reforma educacional no país, deveriam protestar contra a morosidade do STF em colocar na cadeia notáveis bandidos participantes da quadrilha do mensalão, deveria se manifestar contra o sucateamento da universidade pública e contra os grupos educacionais estrangeiros que o governo usa para terceirizar a educação pública através de programas de “financiamento público”.
Com toda demonstração de selvageria política a Yoani usou uma frases curta e simples para desmantelar o cérebro  tacanho dos “manifestantes”: Que lindo! Eu queria que no meu país eu pudesse fazer isso”. Isso mesmo, ela achou lindo e sabe por quê? Porque se fosse em Cuba essa turma da baderna ideológica seria presa, jogada na cadeia sem direito a defesa. Vão para Cuba moçada, vão para la, se mudam, vão ser feliz longe do Brasil, afinal Cuba é melhor que esse lixo de país que vocês ajudaram a criar.






Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…