Pular para o conteúdo principal

Aos vendedores no ponto de ônibus

Bob Marly, morto aos 36 por um câncer fulminante, já era um fenômeno mundial da música quando sua vida se foi precocemente. Seu pai, um oficial militar inglês ao engravidar sua mãe a abandonara a própria sorte, criado em pobreza aguda em uma favela na Jamaica, Marley aparentemente teria poucas chances na vida, mas o talento incrível para compor e cantar somados a um carisma fora do comum aos 20 de idade já tinham feito de Bob um artista consagrado.
Conheci as canções de Bob Marley quando vendia bombons e chocolates em um ponto de ônibus, deveria ter uns oito ou nove anos de idade, todos mundo que vendia no ponto gostava e ouvia Bob Marley, mesmo ninguém sabendo uma só palavra em inglês, àquelas canções exerciam fascínio nas pessoas, algo quase que como mantras, Bob Marley nascido no Caribe, perto dos Estados Unidos, era parte daquela paisagem e em todo litoral da Bahia, mas ele já estava morto, não viveu o suficiente para um dia vir à Bahia, certamente seria uma comoção nunca vista.
O poder da arte, mesmo cantada em uma língua estranha, de alguma maneira havia uma comunicação e as pessoas sentiam, eu sentia que o Bob cantava para todos nós. Anos mais tarde um locutor, já falecido, Lino de Almeida, no seu programa semanal em uma rádio de Salvador, traduzia canções de Bob Marley, a intuição das pessoas não estava errada, o Bob cantava para os pobres, para os humilhados pelo sistema, para os que buscavam paz de espírito, para os que desejavam amor e amor sobre verdade como ele gostava de gritar nos seus shows pelo mundo.
Nas letras traduzidas cada canção se revelava um alento. Anos e muitos anos mais tarde quando minha vida deu uma guinada e fui para universidade, encontrei lá professores que se diziam marxistas, ista daquilo e disso e tudo não me pareceu muito novidade porque la nas letras de muitas canções do Bob  já falava das lutas de classe e de quem sempre se dana nisso tudo: nós outros os pobres.
Os professores nas universidades só escondiam que seja lá marxista ou capitalista a reserva de miseráveis deveria sempre ser mantida em níveis sociais controlados pelo Estado e minha presença ali  e de algumas pessoas estranhas ao meio da elite intelectual não era algo saudável para o sistema, seja lá de direita ou esquerda minhas suspeitas estavam certas, anos depois Lula chegou ao poder e todos sabem o que aconteceu, mas é fato que para mim e tantas outras pessoas o discurso da esquerda era sedutor, amigo e de certa maneira até acolhedor, mas era apenas discurso, porque direita e esquerda no Brasil é só uma questão de se está no poder ou não.
Às vezes fecho os olhos e reencontro o garoto Ney vendendo seus bombons e chocolates entre a passagem de um ônibus e outro, indo ao supermercado Colosso e comprando um caderninho “Companheiro”, à noite deitado na cama (coisa que faço até hoje) rabiscando versinhos, fazendo anotações das coisas que queria para mim, o garoto Ney atravessa a ponte das Moringas como se fosse para qualquer cidade, mas sempre voltar para dormir na sua cama, para a solidão das suas utopias, para sua coleção de amores equivocados.
Abro os olhos e vejo o tanto que já andei, quase nada, mas muito para um garoto que passou metade da infância ouvindo um cantor que ele não entendia sua língua, mas tinha certeza que cantava para ele, o milagre da arte ajudou um garotinho vendedor de doces a ser um professor que ajudar na formação de tantas outras pessoas. Obrigado Bob...


  

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…