O despertar da nudez

Woody Allen 
Sexo é bom, tão bom que até sozinho nos traz prazer. Sobre isso Woody Allen disse: "Masturbação - é sexo com alguém que eu amo muito”. O mesmo Woody Allen disse: “Sexo alivia as tensões, o amor as causa”. Sexo é a verdade imediata do outro, é a metáfora perfeita para vidas que se completam, por isso sempre senti um pouco de pena de garotas de programas que se esvaziam de pernas abertas para o mundo, mesmo que algumas ganhem muita grana e até digam que sentem tesão em sendo de todos e não sendo de si mesmas.
Uma vez tentei ficar com uma garota de programa, não deu certo, no quarto não senti desejo, me senti triste, não consegui fazer daquela pessoa um pedaço de carne para “aliviar tensão”, foi muito triste, ela também ficou triste, mas sua tristeza estava em não me fazer reagi aos seus toques, para ela era um fracasso profissional, realmente não deu, senti uma agonia que quase me dilacerou por dentro. Sem ter o que fazer ou falar perguntei o que ela achava de Marx, ela rindo, me disse que não tinha tempo para livros, mas achava interessante quem lia.
Sexo é ritual que soma-se o tesão, alegria de ser permitir a alguém, a beleza de um orgasmo no qual dois se fazem prazer, é o momento exato em que o mundo não faz sentido algum, porque a vida é só aquele momento, o amor é química que leva ao sexo bom e prazeroso, mas claro se faz sexo por diversão ou por tesão momentâneo e tantos outros móvitos.
Os caminhos na cama é algo mágico, despir aquele corpo que você deseja, corpo que serve de abrigo a pessoa que você gosta e sente emoção em só olhar, o desenho do corpo em uma roupa escolhida quando você era todo verdade na vida dessa pessoa. A nudez que se revela nos detalhes de um riso, da respiração que acelerada diz que ali tem alguém que te deseja, enfim a nudez do corpo revela outros caminhos que pode ser seguidos a dois, o silêncio depois de tudo pode ser o complemento do que se pode viver quando os corpos falam mais que qualquer palavra.



Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys