Pular para o conteúdo principal

Estupidez

Não acho pessoa alguma estúpida, eu é que me sinto estúpido. Sinto-me estúpido toda vez que olho para o meu diploma na parede, ligo a tv e vejo nossos geniais formadores de opinião dando receitas para tudo e milhares de pessoas sentadas nos seus sofás aplaudindo entusiasmadas. Me sinto estúpido quando falo do meu desprezo pela deslealdade causada por uma visão mercantilista da vida e meus amigos dizem : “ por isso que é pobre e fodido”, me sinto estúpido por não entender a retorica de ser um grande filho da puta e por isso desabo na areia movediça da sinceridade.
Sinto-me estúpido por gostar de poesia quando a senha para a grande festa da vida passa pelas mãos da  MasterCard, sinto-me estúpido por não fazer diferenças entre pessoas sejam elas ricas, pobres, negra ou bancas, seja la de que religião for e um sujeito bater em minha porta e  dizer que se eu não aceitar o jesus dele irei para o inferno.
Sinto-me estúpido por ser um coração apaixonado pela vida quando tudo sugere uma vida rasa, sem emoção, tão previsível quanto uma camisinha com gosto de menta que pode causar câncer no colo do útero, mas quem tá ligando em foder alguém além da cama?
Sinto-me estúpido quando me despeço de um amigo e só sossego quando ele chega são e salvo em casa enquanto ele não tá nem aí para meus tênis velhos que me levam pelas ruas escuras até minha casa.
Sinto-me estúpido pela minha incapacidade de ser sacana, de botar prá foder neste país de merda cercado por gente desonesta por todos os lados, me sinto estúpido por ser honesto, porque honestidade e pobreza são sinônimos neste lixo de nação.
Sinto-me estúpido toda vez que fico indignado com a sempre velha nova descoberta de alguma falcatrua política, porque sei que toda velha nova falcatrua politica nasce primeiro em associações de moradores, ditos movimentos sociais, sindicados e clubes beneméritos para a organização partidária do mau-caratismo.
Sinto-me estúpido ao vestir minha camisa verde e amarela e alguém me pergunta se já estou torcendo pela seleção de futebol: foda-se a seleção de futebol, jogadores milionários que deveriam ao menos respeitaram o país que dizem defender e aprender a cantar nosso hino, ou melhor, entender o que a letra diz.
Sinto-me estúpido quando as pessoas confundem Estado, Nação e País, quando transferem para o nosso País as misérias do Estado e Nação membros quase sempre do clube dos eternos colonizadores, sanguessuga do nosso suor, abutres que se alimentam da passividade do povo e da cumplicidade dos cidadãos.
Sinto-me estúpido em viver em um país que há povo, um país deveria ter só cidadãos e cidadãs, o povo é a senha para manutenção eterna da mesma ordem parasitária de sempre. A educação deveria transformar o povo em ciadão, mas apenas adestra como se adestra qualquer animal coagido e manipulado.
Sinto-me estúpido quando vejo o Brasil não valorizar a meritocracia e apostar na ignorância como fórmula de felicidade, sinto-me profundamente estúpido quando digo que amo e o eco sombrio da solidão me responde: “ eu amo”.
Sinto-me estúpido quando sento no sofá, ligo a TV e vejo alguém morto com um tiro no peito e com a frieza de uma barata continuo meu café como se não fosse tudo aqui parte da essência de todas as pessoas deste país: ser indiferente ao que não lhe dói até que a dor bata em sua porta.
Sinto-me estúpido por me esforçar ao máximo para ser uma pessoa melhor, não filho da puta na vida de pessoa alguma e ouço em resposta: “você é um D. Quixote, esse mundo que você quer não existe”. Sinto-me estúpido em observar que a grana compra além de sexo a sensação que se é amado, que a grana torna todos mais acetáveis, cria virtudes e transforma desvios de conduta em “excentricidades”.
Sinto-me estúpido ao ir a o enterro de uma querida amiga professora que depois de trinta anos de trabalho caiu fulminada por um câncer e lá encontrar vinte pessoas, chegar em casa ligar a tv e saber que no enterro de um traficante havia mais de duas mil pessoas. Estúpido.
Sinto-me estúpido ao devolver a carteira encontrada na rua quando milhares de pessoas sonegam impostos, sinto estúpido em acreditar que de todos os animais da natureza o homem e a mulher ainda são a essência da vida, quando vejo o homem e a mulher devorando florestas, contrabandeando nossa flora e fauna para laboratório médicos nos Estados Unidos e Europa. Sinto-me estúpido por não ser cristão, mas entender a grande e única doutrina cristã: ama teu próximo como a te mesmo. Sinto estúpido por não guardar mágoas, por acreditar que o bem pode vencer o mal, por gostar da noite, por esperar o que não pode ser alcançado, sinto-me estúpido como um hamster correndo dentro de uma gaiola de aço.



Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…