Pular para o conteúdo principal

Não, porém todavia

Simone de Beauvoir 
Onde estou que às vezes ao me olhar no espelho sinto saudades de mim? Chove agora à noite, uma chuvinha boba nem da para molhar a esperança tristinha do meu coração que nem sei se é meu mesmo. Levo meu Carlos Drummond de Andrade para cama e seus versos são lençóis para esse meu corpo vazio, corpo de alma vadia pelos campos áridos do mundo na busca quase inútil pelo amor que talvez só eu acredite que exista:
"Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.”
Insisto em dizer: “meu amor”, agora o digo do alto da montanha mais azul , me volta em eco o amor que ao outro gritei, volta repleto de mim, é melhor enamora-se do próprio eco que esperar em vão por um “eu te amo” que talvez nunca seja dito.
É preciso saber-se gigante quando o tempo parece senhor absoluto em nos trazer desenganos, é preciso ser girante para caminhar ao coração sol, estrela e alecrim do outro lado da rua, dizer do bem só o bem, da alegria só o tempo que somos alegria.
Gilberto Gil canta pela madrugada no meu quarto: “Se eu sou algo incompressível, meu Deus é mais”. É Deus é o senhor incompressível por isso mesmo tem muitos nomes e vive a confundir tudo, ora senhor da guerra, ora senhor do mais sublime amor, ah! O amor, quanto mais a senti-lo, menos a tê-lo.
Quase sempre anoiteço “Adamo Salvatore”, canções francesas feitas para fazer adormecer pessoas como eu, minha cama é fogo que se encandeia como se sobre mim Simone de Beauvoir revisse plena e risonha, mas desejaria mesmo era beber um café ou umas biritas pelas ruas de Paris com Marguerite Yourcenar, sou tão dela, a mulher que nunca tive, mas sempre dormiu comigo na minha cama.
A Vivi Fernandes é antítese de tudo isso, é a realização da carne perfeita, não sei se ela tem espírito talvez o tenha, mas esconde muito bem , a Vivi e a festa que tem hora exata para acabar, ama a carne, carne é tudo que envelhece, morre e apodrece, não é como a Marguerite que passou a vida entre os corredores do espírito humano por isso é tão eterna quando Napoleão ou D. Pedro II que gostava mais da mulheres que do Brasil.
Sou do Brasil cheiro de terra, cru, tosco, labirinto, o Brasil em que sem malandragem e jogo de cintura se envelhece cedo, morre-se cedo. Nada é mais lindo que a caatinga depois da chuva, meu Brasil é essa mistura mar e caatinga, o mundo é que nos faz sentido.
Angela RôRô canta aos meus ouvidos :

“Amor, meu grande amor
Me chegue assim
Bem de repente
Sem nome ou sobrenome
Sem sentir
O que não sente...
Pois tudo o que ofereço
É, meu calor, meu endereço”

Ainda chove, que alegria essa chuva, como as plantinhas do quintal parecem sorrir a cada pingo que cai sobre elas, ainda tá um friozinho daqueles que pedem cama e corpo com cheiro de alecrim caindo sobre nós como os pingos de chuvas sobre as plantinhas do quintal.
Não, porém, todavia sou feliz como o encontro perfeito entre as plantinhas do meu quintal e a chuva preguiçosa que cai, in- feliz- mente a chuva cai de vez em quando e as plantinha morrem de saudade dessa alegria sentida que é a chuva fazendo festa no quintal, valsando juntos como casal de noivo em dia de casamento.


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…