Pular para o conteúdo principal

Não, porém todavia

Simone de Beauvoir 
Onde estou que às vezes ao me olhar no espelho sinto saudades de mim? Chove agora à noite, uma chuvinha boba nem da para molhar a esperança tristinha do meu coração que nem sei se é meu mesmo. Levo meu Carlos Drummond de Andrade para cama e seus versos são lençóis para esse meu corpo vazio, corpo de alma vadia pelos campos áridos do mundo na busca quase inútil pelo amor que talvez só eu acredite que exista:
"Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.
Tempo em que não se diz mais: meu amor.
Porque o amor resultou inútil.”
Insisto em dizer: “meu amor”, agora o digo do alto da montanha mais azul , me volta em eco o amor que ao outro gritei, volta repleto de mim, é melhor enamora-se do próprio eco que esperar em vão por um “eu te amo” que talvez nunca seja dito.
É preciso saber-se gigante quando o tempo parece senhor absoluto em nos trazer desenganos, é preciso ser girante para caminhar ao coração sol, estrela e alecrim do outro lado da rua, dizer do bem só o bem, da alegria só o tempo que somos alegria.
Gilberto Gil canta pela madrugada no meu quarto: “Se eu sou algo incompressível, meu Deus é mais”. É Deus é o senhor incompressível por isso mesmo tem muitos nomes e vive a confundir tudo, ora senhor da guerra, ora senhor do mais sublime amor, ah! O amor, quanto mais a senti-lo, menos a tê-lo.
Quase sempre anoiteço “Adamo Salvatore”, canções francesas feitas para fazer adormecer pessoas como eu, minha cama é fogo que se encandeia como se sobre mim Simone de Beauvoir revisse plena e risonha, mas desejaria mesmo era beber um café ou umas biritas pelas ruas de Paris com Marguerite Yourcenar, sou tão dela, a mulher que nunca tive, mas sempre dormiu comigo na minha cama.
A Vivi Fernandes é antítese de tudo isso, é a realização da carne perfeita, não sei se ela tem espírito talvez o tenha, mas esconde muito bem , a Vivi e a festa que tem hora exata para acabar, ama a carne, carne é tudo que envelhece, morre e apodrece, não é como a Marguerite que passou a vida entre os corredores do espírito humano por isso é tão eterna quando Napoleão ou D. Pedro II que gostava mais da mulheres que do Brasil.
Sou do Brasil cheiro de terra, cru, tosco, labirinto, o Brasil em que sem malandragem e jogo de cintura se envelhece cedo, morre-se cedo. Nada é mais lindo que a caatinga depois da chuva, meu Brasil é essa mistura mar e caatinga, o mundo é que nos faz sentido.
Angela RôRô canta aos meus ouvidos :

“Amor, meu grande amor
Me chegue assim
Bem de repente
Sem nome ou sobrenome
Sem sentir
O que não sente...
Pois tudo o que ofereço
É, meu calor, meu endereço”

Ainda chove, que alegria essa chuva, como as plantinhas do quintal parecem sorrir a cada pingo que cai sobre elas, ainda tá um friozinho daqueles que pedem cama e corpo com cheiro de alecrim caindo sobre nós como os pingos de chuvas sobre as plantinhas do quintal.
Não, porém, todavia sou feliz como o encontro perfeito entre as plantinhas do meu quintal e a chuva preguiçosa que cai, in- feliz- mente a chuva cai de vez em quando e as plantinha morrem de saudade dessa alegria sentida que é a chuva fazendo festa no quintal, valsando juntos como casal de noivo em dia de casamento.


Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…