Pular para o conteúdo principal

Todas as cores de Larin

“Larin, Linda com toda cor” é um livro para crianças, mas como escreveu Antoine de Saint-Exupéry  em seu “Pequeno Príncipe” pode ser um livro para adultos e se não puder seja então dedicado à criança que todo adulto já foi um dia. Quando fui criança tive meus momentos Larin, em adulto também, a sina Larin parece me perseguir, por isso o livro da escritora Maria Luiza Gomes me tocou tanto.
“Larin, Linda com toda cor” foi editado este ano pela Editora paulistana Gregory, nos apresenta não só as aventuras de uma criança que queria apenas estudar e fazer amigos como também toda sensibilidade de sua autora, Maria Luiza Gomes, que além de escritora é psicopedagoga, acostumada aos conflitos que fazem da escola não só um lugar de aprendizagem, mas de disputa de poder e afirmação pessoal nem sempre delicada como bem escreveu Maria Luiza em seu livro.
Larin era uma criança como todas as outras, mas aos olhos dos seus coleguinhas era feia e sem graça, seu penteado causava risos e deboches, os coleguinhas não queriam sua amizade. Larin entendia que a escola era lugar não só para estudar, era também lugar em que ter amizades era possível.
A indiferença com que era tratada pelos colegas machucava a doce Larin, mas ela não queria ser diferente para ser aceita:
“Meu cabelo, minha cor, fazem parte de mim. Pareço-me com meus pais. Para que mudar meu penteado ou cabelo? Só para agradar vocês?” Diz Larin em resposta às provocações das colegas, diz isso porque mesmo na terna infância já tem em si traços conscientes de quem é e da sua própria história de vida, se afirma como pessoa sem negar o que cada um é, faze isso por amar pessoas não “as coisas” que infelizmente determinam o papel e importância social de cada um.
“Chegando em casa foi para o quarto e chorou baixinho”. Larin tinha angústias e sofria, imaginava a escola como um lugar de todas as cores e não como um lugar triste em que ter a cor da pele negra ou o cabelo crespo seria motivo de piada, ódio e indiferença. A escola apresentada sobre a ótica impiedosa no qual os preconceitos parecem ser também parte da pedagogia triste que vivenciamos todos os dias é com certeza a maior reflexão que a autora nos apresenta neste livro.
“Larin, Linda com toda cor” nos alegra pela força de espírito da personagem central: “O mundo é colorido pelas cores das pessoas, pelos sorrisos, pelas plantas, pelas ruas... Vocês só reparam no meu cabelo, na minha roupa... Não procuram meu conhecer primeiro. Minha cor, meu cabelo, meu jeito de andar e falar fazem parte de mim... Vocês também são lindos, mas precisam parar com isso”, reflete e aconselha Larin.
Todos devem parar com isso, devem refletir se é sensato julgar alguém por uma foto, um penteado, todos devem em algum momento refletir sobre que mundo desejamos, se desejamos o mundo de Larin que se entende como pessoa e parte de todo contexto social ou dos seus colegas preconceituosos que entende o mundo como exclusivo do que eles acreditam ser o belo.
Maria Luiza Gomes termia seu livro nos apontando caminhos, festejando a vitória da vida sobre os preconceitos: “Quanto tempo perdemos, quantas amizades deixamos de fazer. Obrigado Larin, você nos fez despertar, voltar atrás, rever nossas atitudes. Vamos caminhar para frente com esse olhar. Nós somos lindos! Fazemos parte de um mundo que não pode ser separado pela cor da pele, por beleza, mas unidos pelo amor.
Saiba Larin, você é linda, com toda cor!”
Que essa reflexão final de Larin nos seja guia para o mundo que desejamos, o mundo sem a opressão dos preconceitos, das classes sociais, o mundo que amar seja tão simplesmente quer bem ao outro e não sofrer por amar a quem nos olha com preconceito e negação.
Saiba mais sobre “Larin, Linda com toda cor” pelo site da editora: www.editoragregory.com.br
edineysantana2.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…