Pular para o conteúdo principal

Cafonas e outras coisas delicadas

A foto ao lado foi tirada quando éramos do Grêmio Estudantil João Dórea Gomes, em algum dia dos anos de 1994, estudávamos do Centro Educacional Teodoro Sampaio, a passeata aconteceu porque estávamos putos da vida pela falta constante de professores e outras coisas como a falta de livros na biblioteca. Por causa dessa foto Amália Patrícia, uma amiga minha cantora e artista plástica, disse que eu sempre fui cafona, honestamente achei cafona usar a palavra a cafona para me chamar de, digamos, mal vestido.
Havia boas intenções no grêmio, mas como se diz: o inferno está cheio de pessoas que tem boas intenções, o paraíso não são para os mansos de alma, são para quem podem pagar o condômino dos sonhos possíveis, uma educação possível de qualidade não faz parte do nosso histórico.
Crescemos ouvindo que: nunca devemos perder a capacidade de sonhar, que se deve acreditar sempre nos seus sonhos, que nunca devemos perder o encantamento com as coisas, que somos o futuro do país. Aí você cresce e descobre: o rei sempre esteve nu e só há dois caminhos, ou fica nu junto com o rei e fazer parte do seu séquito ou ir à luta e dizer a todo mundo que o rei é um mentiroso e poder acabar como presidente da república ou aquele que sempre pode ser alguma coisa e nunca é nada.
Esses dias tive a tristeza de assisti uma aula de matemática e presenciar com profundo pesar todos os alunos não acertarem nenhuma das quatro operações, eram contas simples, fechei os olhos e lembrei dessa passeata do grêmio, de como tudo poderia ter sido diferente se ao menos a indignação dos estudantes do nosso tempo ficasse para essa geração que prefere ser amiga do rei.
Há no Brasil essa mania de ser rei ou amigo do rei, temos rei do gado, da música, do futebol, dos baixinhos, das putas, da pirataria,  rei da quentinha, da lavagem de dinheiro roubado. O Brasil sente saudade do império.
A ideia de sangue azul e casta seduz muitos brasileiros, não por acaso os economista adoram nos separar nas classes: A, B, C, D, E, eu estou segundo eles, na C e já faz tempo. Mas se há mania de reis e rainhas, há os súditos e os escravos também.
Os súditos são os que sabem que o rei é tão plebeu quanto qualquer pessoa, e que alguns desses reis são criminosos, mas súdito que é súdito prefere as migalhas do reis safado que empurrá-lo para guilhotina, não por acaso hoje todo mundo é PTista, amanhã serão os que venceram os PTista e assim por diante.
Os escravos, são um caso a parte, maioria absoluta da população, adoram chamar qualquer pessoa que ao menos aparente ser rico de “doutor”, aparentar ser rico é ser branco, ter cabelos claros, ser for engenheiro, médico ou advogado o doutorado do puxa-saquismo é garantido pelos escravos,
Somando tudo isso, continuo cafona, cafoníssimo. Ainda me dói entrar em uma sala e olhar a molecada errar quanto é 45X5... Cafona sempre, conformado nunca, o rei continua nu, mas pior mesmo é quando ele se veste de seda, fodeu, tudo fica pior e para quem é classe C, o frio é intenso porque não é só o meu são de muitos e tantos outros.




Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…