Pular para o conteúdo principal

Escola Dr. Desgraça

É só olhar o nome de algumas escolas e até de campus universitários para entendermos que professores e professoras são desprestigiados em muitos aspectos e não só no financeiro, em verdade o magistério como algo que ainda traz prazer aos seus profissionais é uma ficção e só enquanto ficção há algo de bom nele.
Especialização, mestrado ou doutorado são títulos acadêmicos que tem como finalidade especializar o professor (a) em determinada área, mas a sociedade e governos estão pouco se lixando se os profissionais da educação estão em permanente formação ou não, se tivessem, por exemplo, vereadores ou prefeitos não indicariam um analfabeto funcional para lecionar para nossas crianças como se este fosse professor.
Escolas são inauguradas com nomes geralmente de políticos que não teve na maioria das vezes contribuição alguma para educação ou são batizadas também com nomes de pessoas socialmente privilegiadas que também não contribuíram efetivamente em nada para a melhoria da educação.
 O nome na placa de uma escola nos diz o quanto historicamente os professores são renegados na periferia da história da educação no país, não somos mais festejados, somos agora frequentadores de delegacias de polícia na busca por proteção contra os que deveriam ter por nós respeito.
Aquela maravilhosa professora ou professor quando morrem serão lembrados apenas por alguns poucos alunos ou colegas e com tempo caem no esquecimento, infelizmente com eles também se vão muitas estratégias pedagogias originais que não foram observadas com atenção que mereciam, enquanto na fachada da escola um nome que em vida nada fez de concreto para nos garantir uma sociedade viável já nos diz o comprometimento pedagógico dos ascetas que cuidam dos rumos da nossa educação.
Há muito é palavrório pedagógico, risos cínicos e demonstrações falsas de afetos dirigidas aos professores (as), jornadas pedagógicas são transformadas em circos de auto-ajudar para especialistas venderam suas fórmulas mágicas e governos justificarem o roubo do dinheiro da educação, infelizmente muitos professores (as) sem formação intelectual confiável acabam aplaudindo de pé quem deveriam renegar.
Alguns podem dizer que o nome de uma escola é só um nome em uma placa, mas não é, o nome da escola diz sim muito sobre os processos educacionais que ela pode desenvolver, por fim, chego à conclusão de que ao batizar uma escola ou universidade com nome de pessoas sem participação alguma na causa educacional se concretiza o processo político que tem o professor (a) como um ser inferior, desqualificado e tão substituível como qualquer peça de reposição, as placas de inauguração das escolas  eternizam na maioria das vezes a imoralidade educacional desse país.
Neste nosso país bacharéis sem doutorado ou políticos quase sem instrução são chamados de doutores pelo povo e seu servilismo demente, enquanto bons professores (as) são sistematicamente humilhados e até ameaçados por alunos e pelo sistema podre de ensino. No entanto não nos enganemos, em todas profissões há honrosos profissionais e no magistério não é diferente, por isso a profissão de professor(a) é sagrada, mas nem todos profissionais da educação atuam com a dignidade que a profissão requer além de vocação sólida formação acadêmica, alguns carregam o andor da mediocridade e elege não um Paulo Freire como bússola para nortes, mas qualquer fascista que tenha mandato ou grana o suficiente para ser chamado de “doutor”, doutor do caos, do lixo e da alegria que deveria ser uma escola.






Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…