Pular para o conteúdo principal

O grande baile

Há uma canção do Gilberto Gil que diz que quando andamos com fé é bom porque a fé não costuma falhar, não costuma, mas pode ser que em algum momento ela não nos ajude muito, fato é que pior que uma fé que falha e nunca termos fé em nada. Não nascemos para o cativeiro de nós mesmos, atravessar pontes é o nosso destino, o problema é que não sabemos ao certo o que vamos encontra do outro lado.
A certeza que nascemos para conjugarmos nossos conhecimentos, desejos e sensações com outras pessoas somada à dúvida se ao sermos para além de nós seremos mais felizes ou ao contrário pode potencializar ainda mais nossas fraquezas pode nos jogar ao chão sem mesmos irmos à esquina de quem somos.
Ninguém é bom sendo sozinho, ninguém é gênio antes que alguém o diga que é, quem sonha-se grande para si mesmo é um louco, mas um louco medíocre porque os grandes loucos da humanidade fizeram milhões sonharem com eles e viverem suas loucuras.
Eu escrevo, mas o que escrevo não tem sentido completo se tocar ou ser importante só para mim, o que sinto em relação ao que faço só tem sentido se causar algo em alguém, qualquer sentimento bom ou ruim, porque quando tudo que fazemos tem como finalidade nosso ego nada de produtivo fazemos, tudo que criamos deve ter aquela ideia de ponte, algo de mim que me leva até você sem a intenção de te ensinar ou convencer de nada, apenas interagir, interagindo livremente você escolhe o que vai fazer com essa interação, se acolher alguma coisa ou descartar.
Não existe decreto para cria gênios, amores, sentimentos. Somos a energia que nos move livremente por todo esse espaço, o que somos para nós não tem sentido maior se agirmos como um narciso apaixonado por si mesmo. Ama-se em liberdade, o passarinho na gaiola não canta, chora por sua liberdade, a alegria que não voluntária é ditadura do razão sobre a emoção.
Ouço agora The Planter, um grupo antigo dos Estados Unidos que esses dias tocou em Salvador, adoro as canções de amor que eles cantam, não fui ao show, falta absoluta de grana, mas não é da minha falta de grana que quero falar, quero dizer que o que me faz ouvir músicas tão antigas como a o The Planter é que eles fizeram músicas para o mundo, buscaram razão no ouvidos de todo mundo e não só nos seus, se fizessem músicas só para sim não estariam cantando em 2013, ser para além de nós pode nos trazer o mundo a nossa porta e pode nos levar ao mundo.
O grande baile é curto, nossas vidas, muito curta, por isso neste grande baile muitos vão viver sem deixar na terra nenhum traço histórico da sua passagem por aqui, a maioria absoluta é assim, será assim, somos pessoas simples, nosso alcance histórico não vai até a esquina, mas podemos fazer desse baile algo maravilhoso, podemos somar nossos esforços aos de tantas outras pessoas para fazermos da nossa passagem um grande evento se não para o mundo, para nossa casa, nossa rua, nossos amores, amigos e amigas, nossa família...


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…