Pular para o conteúdo principal

O grande baile

Há uma canção do Gilberto Gil que diz que quando andamos com fé é bom porque a fé não costuma falhar, não costuma, mas pode ser que em algum momento ela não nos ajude muito, fato é que pior que uma fé que falha e nunca termos fé em nada. Não nascemos para o cativeiro de nós mesmos, atravessar pontes é o nosso destino, o problema é que não sabemos ao certo o que vamos encontra do outro lado.
A certeza que nascemos para conjugarmos nossos conhecimentos, desejos e sensações com outras pessoas somada à dúvida se ao sermos para além de nós seremos mais felizes ou ao contrário pode potencializar ainda mais nossas fraquezas pode nos jogar ao chão sem mesmos irmos à esquina de quem somos.
Ninguém é bom sendo sozinho, ninguém é gênio antes que alguém o diga que é, quem sonha-se grande para si mesmo é um louco, mas um louco medíocre porque os grandes loucos da humanidade fizeram milhões sonharem com eles e viverem suas loucuras.
Eu escrevo, mas o que escrevo não tem sentido completo se tocar ou ser importante só para mim, o que sinto em relação ao que faço só tem sentido se causar algo em alguém, qualquer sentimento bom ou ruim, porque quando tudo que fazemos tem como finalidade nosso ego nada de produtivo fazemos, tudo que criamos deve ter aquela ideia de ponte, algo de mim que me leva até você sem a intenção de te ensinar ou convencer de nada, apenas interagir, interagindo livremente você escolhe o que vai fazer com essa interação, se acolher alguma coisa ou descartar.
Não existe decreto para cria gênios, amores, sentimentos. Somos a energia que nos move livremente por todo esse espaço, o que somos para nós não tem sentido maior se agirmos como um narciso apaixonado por si mesmo. Ama-se em liberdade, o passarinho na gaiola não canta, chora por sua liberdade, a alegria que não voluntária é ditadura do razão sobre a emoção.
Ouço agora The Planter, um grupo antigo dos Estados Unidos que esses dias tocou em Salvador, adoro as canções de amor que eles cantam, não fui ao show, falta absoluta de grana, mas não é da minha falta de grana que quero falar, quero dizer que o que me faz ouvir músicas tão antigas como a o The Planter é que eles fizeram músicas para o mundo, buscaram razão no ouvidos de todo mundo e não só nos seus, se fizessem músicas só para sim não estariam cantando em 2013, ser para além de nós pode nos trazer o mundo a nossa porta e pode nos levar ao mundo.
O grande baile é curto, nossas vidas, muito curta, por isso neste grande baile muitos vão viver sem deixar na terra nenhum traço histórico da sua passagem por aqui, a maioria absoluta é assim, será assim, somos pessoas simples, nosso alcance histórico não vai até a esquina, mas podemos fazer desse baile algo maravilhoso, podemos somar nossos esforços aos de tantas outras pessoas para fazermos da nossa passagem um grande evento se não para o mundo, para nossa casa, nossa rua, nossos amores, amigos e amigas, nossa família...


Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…