Pular para o conteúdo principal

“Aqui é vida real”


Hoje acompanhei uma estagiária do curso de letras em uma aula. A escola pública, alunos sem perspectiva e a constrangedora constatação de que há um abismo entre o que se aprende na academia e a realidade moribunda da maioria das nossas escolas. Era uma turma de 6ª série, a professora perguntou: o que é um verbo? Dos 49 alunos nenhum sabia, teve um que perguntou: eu é verbo professora?
Uma geração inteira sem verbo, sem ação, paralisada pela incapacidade de entender a si mesma, em litígio com a gramática interior que todos nós trazemos, aquela gramática que nos inquieta e nos chama para vida. Aqueles alunos não vivem a vida, apenas estão no mundo, sementes jogadas ao acaso na incubadora do mal que é a sociedade brasileira.
Que nos dera que “eu” fosse verbo, seriamos o “eu” da ação, da luta, da busca por uma vida não com esperanças, mas com realizações, quem nos dera que “eu” fosse verbo, conjugaríamos “eu” em primeiríssimas pessoas, seríamos nação e não povo, a covardia não seria nossa carta de visita diante as mazelas nos tristes olhos de alunos mantidos em ignorância por um estado criminoso, quem nos dera que “eu” fosse verbo, seriamos as tais pessoas de todos discursos gramaticais, conjugaríamos eu + você sempre igual a nós, não viveríamos ilhados na tristeza da impotência e do medo.
Enquanto a estagiária se esforçava para que fosse entendida pelos alunos, muitos riam, passaram a aula rindo, não um riso de alegria, mas um riso vazio, desprovido de alegria ou prazer, um riso torpe, fútil, um riso tão amargo quanto à constatação que falta mais que gramática, falta vida objetiva no ri daqueles alunos.
Os alunos estavam naquela sala fazendo a famigerada recuperação paralela, porque não conseguiram na unidade média mínima para aprovação, mas ao fim do ano a ignorância de cada um será recompensada com a aprovação para a 7 ª série, eles até vão festejar, seus país vão oscilar entre comemoração e indiferença do avanço dos seus filhos para a 7ª do nada.
Quando forem fazer o ENEM, o governo vai oferecer para todos, o “maior” programa pedagógico desse país “ as cotas”. Defendida por entidades e ilustres defensores dos direitos humanos e dos fracos e oprimidos, as cotas é a “reparação” para anos de segregação racista, política e cultural dos nossos alunos, dizem eles tão intolerantes no dizer quanto o governo e seus crimes pedagógicos.
Se eu ou você ficarmos contra esses ilustres defensores dos direitos humanos e entidades, defensores das cotas, vão simplesmente nos chamar de racistas ou elitistas, no entanto duvido que seus filhos estudem em escolas como a que visitei hoje. O Brasil é viciado em índices, numero, pessoas não contam, sentir a dor daqueles alunos não faz parte de governo, querem números para apresentar em suas palestras medíocres para plateias idiotas sem reflexão.
Pouco posso fazer, em minhas mãos não há poder de ação, sou grão de areia, cisco pedido pelos corredores das escolas, mas sei que o governo sozinho não é agente do mal, infelizmente nas escolas muitos professores são parceiros nisso tudo, outros são reféns, reféns como nossos alunos e seus risos vazios.
Quando a aula ia terminando um aluno gritou: “aqui é vida real”. O que parecia para ele uma ato de rebeldia, não condiz com a realidade, aquilo não é vida real, é ficção, ficção criada pelo governo e endossada por parte considerável da sociedade, nada ali é real, tudo é palmejado para nunca acontecer, para ser sempre o que é: nada, ele não sabe, mas vive como Truman Burbank, no filme o Show de Truman, honestamente espero que um dia todos ali como Truman, ao menos desconfiam que algo está errado em suas vidas e busquem novos horizontes.

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…