Pular para o conteúdo principal

Carta:

Protege minha geração, que agora começa envelhecer, desses abutres, assassinos e facionaras acoitados em toda máquina púbica do país, são esses vermes pais e mães de toda violência, homicídios e atentados contra nossas utopias. O nordeste não sangra, o nordeste é seco, seus sugadores vivem em palácios longe daqui, que seus olhos sejam inumados pela dor que causaram a milhares de pessoas indefesas. Estado covarde, abutre e mesquinho.
Protege-nos dos donos de jornais e tvs que negociam informações mentirosas com esse mesmo Estado delinquente, que nos chama de bandidos, vândalos enquanto eles nunca entraram em um hospital público, não sentaram em um banco de uma escola púbica, nunca morreram de doenças que são perfeitamente curáveis.
Nossas dores e mortes não são naturais, são orquestradas, sistematizadas. Milhares são mantidos na ignorância artificial, ficam incapazes de refletir sobre a própria miséria que lentamente vai mantando todos. Protege-nos de agentes públicos desumanos, violentos, protegidos por mandatos ou por fardas que deveriam nos proteger, cuida dos nossos filhos e mães, cuida de nós.
Livra-nos do mal, do miserável mal que aponta sempre a mesma estrada previsível em que nela sempre seremos coadjuvantes em filme B, nossas vidas lado B, dai-nos o abraço bom de um pai que nunca se cansa dos seus filhos, nos protege dos matadores de aluguel que agem livremente neste país, do crime que desorganiza o estado e se organiza em cima das nossas dores.
Protege todos que ganham salário mínimo, porque quem ganha salário mínimo não é visível, não é respeitado, não é tratado como cidadão, quem ganha salário mínimo quando vai ao fórum é trato com falta de respeito, quando adoece morre em macas imundas de hospitais imundos, quem ganha salário mínimo vive uma vida mínima em que não raro a dor é gestora das suas emoções.
Protege os que não acham graça no vereador safado que nada faz, que tem certeza que no Brasil a maioria dos partidos políticos não passam de braços legislativo ou executivos do crime, protege aqueles para quem as portas sempre estão fechadas porque não são cegos para saber que a vida que se vive é uma mentira tanto quanto uma partida de futebol chata e previsível.
Médicos fazem greve, gays ricos e evangélicos ricos brigam na Tv, classe média tem chiliques, o povo confunde patriotismo com uma porcaria de time de futebol, polícia vira milícia, congresso puteiro, ruas campos de batalha e nas miudezas salário mínimo do país, nada muda, continuamos morrendo, cercados de bandidos por todos os lados, andando de coletivos que parecem navios negreiros.
Protege-nos desse medo crescente, não deixa-nos em paralisia emocional, livra-nos do medo, nosso pior inimigo, há muitas dores, muitas incertezas, o sistema (partido, criminosos, cooperações econômicas, cooperações religiosas e fragmentadas articulações ideológicas) sabem que nada mais nos faz recuar quanto o medo:
Medo de falar o que sente e por isso perder o emprego, medo de dizer : " eu te amo " para pessoa errada e sermos abandonados, medo do desconhecido, como se o conhecido fosse sempre confiável , medo de sermos vítimas da violência  institucional, medo de desistirmos da vida, medo de não termos nem uma vida mínima para viver, medo de perder a capacidade de sonhar, medo da fome, medo de perder um emprego que paga pouco e passar a viver de esmolas, medo de buscar a felicidade e por isso acostumarmos com a infelicidade , medo do outro,  medo de adoecer e morrer lentamente em um hospital público, medo de ter diploma de curso superior e não ir além da fotografia do dia da formatura...  Medo é a única arma que pode nos vencer de verdade, pode matar ideias, destruir com nossa vontade de futuro, nos fazer reféns sempre de um presente sem expectativa,  medo de dizer  o que deve ser dito por medo de perder até o que não se tem, medo de gritar que algo ta errado e morrer entalado no próprio grito, acostumar com a escravidão emocional e negar em si a alegria de ser livre, medo , medo, carta cidadã desta cidade ,ter medo e negociar com os filhos da puta de plantão as migalhas que eles oferecem como se fossem bênçãos divinas, não, Viver com medo que é o mesmo que morrer .Morre-se é de vida, não de medo.

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…