Pular para o conteúdo principal

Corrente do Bem

Se Nara Leão não tivesse convidado Maria Bethânia para cantar em um show no Rio de Janeiro, talvez não tivéssemos hoje a voz mais que festejada de Bethânia, seu irmão Caetano Veloso, que sempre diz que nunca quis sair de Santo Amaro, talvez também não tivesse se transformado na personalidade artista que é hoje, isso porque ele foi ao Rio acompanhando sua irmã que se apresentaria no show Opinião a convite da Nara. Se Herbert Vianna não tivesse levado uma fitinha K7 com músicas de Renato Russo para a gravadora, teríamos Legião Urbana? Ou o Renato ainda estaria dando aulas em Brasília?
Quando Paulo Coelho encontrou Raul Seixas, Raul era um burocrata da indústria fonográfica, talvez desiludido pela falta de êxito que teve ao lançar seu primeiro disco “Raulzito e os Panteras”, a soma de Raul e Paulo transformou um burocrata em uma das personalidades mais marcantes da nossa cultura musical e o Paulo Coelho um dos maiores vendedores de livros do mundo.
Jimmy Cliff certa vez andando por um bairro pobre e miserável em Kingston / Jamaica, ouviu Bob Marley cantando e tocando, o encontro mudou a história de Marley, que se transformou no primeiro grande astro da música mundial nascido fora dos circuitos europeus e dos Estados Unidos.
Mike Tyson foi um garoto pobre, internado em reformatórios mais de dez vezes, mas sua vida mudou quando encontrou o treinador de Box Cus D’Amato, Mike Tyson teve sua vida mudada por esse encontro, consagrou-se o mais jovem campeão mundial dos pesos pesados do Box.   
Elis Regina já era uma cantora consagrada quando lançou ao Brasil cantores- compositores como Milton Nascimento e Belchior. Muitos artistas preferem apostar em fórmulas requentadas para manter o sucesso, Elis Regina era capaz de gravar um disco inteiro com novos compositores, essa característica vanguardista dela mudou a vida de muitas pessoas e ajudou a renovar a música popular.
Patrice Motsepe  é um dos homens mais ricos no mundo, nasceu na África do Sul e resolveu doar parte da sua fortuna aos pobres, ao tomar essa decisão Patrice disse: “Decidi há já algum tempo doar pelo menos metade dos recursos gerados pelos ativos da nossa família para ajudar sul-africanos desfavorecidos, pobres e marginalizados".
Yu Pengnian era um dos homens mais ricos da China, mas resolveu doar toda sua fortuna para obras de caridade, Yu justificou assim sua decisão: “Todo o dinheiro vai para a caridade, nada vai ser herdado ou usado para investimentos ou negócios. Se meus filhos são mais capazes do que eu, não é preciso deixar muito dinheiro para eles. E se eles forem incompetentes, muito dinheiro só vai fazer mal a eles”. 
Bill Gates criou uma das empresas mais poderosas de todos os tempos, a Microsoft, foi por muitos anos o homem mais rico do mundo, Bill já doou 95% da sua fortuna para projetos assistências em todo o mundo.
Dei aqui alguns exemplos de como alguns encontros podem mudar  vidas , como gestos globais de solidariedade e desprendimento podem mudar milhares de vidas. São vidas que se transformam ao ajudar a transformar vidas, pessoas que surgem para possibilitar que outras encontrem seus caminhos, que por sua vez vai seguir modificando tantos outros caminhos.
Li hoje essa frase de Bunda: “Se acender uma lamparina para uma outra pessoa, iluminará também o seu próprio caminho”. Uma definição perfeita do que penso sobre tudo isso, ao ajudar, estamos também nos ajudando a sermos melhores e encontrando um caminho mais feliz para nós mesmo e todos que convivem conosco.
Todos esses gestos de solidariedade só aconteceram porque quem ajudou não fazia parceria com o egoísmo, não eram espíritos mesquinhos. Claro não é preciso ser uma pessoa influente no mundo das artes para fazer a diferença na vida cultural do país, não é necessário ser um milionário para fazer frente das desigualdades sociais do mundo, com pequenos gestos pode-se se transformar realidades.
Sempre pensei que para viver bem precisamos de uma causa, uma paixão, ser útil, ajudar para ser ajudado, a cada dia tenho mais convicção disso, o dinheiro serve para nos ajudar e ajudar tantas outras pessoas, dinheiro pode gerar solidariedade, buscando nossa causa, nossas paixões atraímos para nós pessoas da mesma vibração positiva, fazer da vida uma causa, ter paixões, viver bem é não viver só para si. Um pequeno gesto de solidariedade pode desencadear uma revolução íntima não só nas nossa vida, mas de todos que cruzam nosso caminho.
Neste momento lembro-me de Fernando Pessoa / Álvaro de Campos em Tabacaria, versos que nos fazem refletir de que sonhando para nós mesmos não passamos de loucos:
“Em quantas mansardas e não-mansardas do mundo
Não estão nesta hora gênios-para-si-mesmos sonhando?
Quantas aspirações altas e nobres e lúcidas -
Sim, verdadeiramente altas e nobres e lúcidas -,
E quem sabe se realizáveis,
Nunca verão a luz do sol real nem acharão ouvidos de gente?
O mundo é para quem nasce para o conquistar
E não para quem sonha que pode conquistá-lo, ainda que tenha razão”




Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…