Pular para o conteúdo principal

“Tudo que é sólido se dissolve no ar",

Ediney Santana - Foto -Dalmir Castro
Bem e mal não tem cara, sexo, cor, condição social ou financeira, feio e bonito pode ser uma opinião pessoal, se coletiva é estúpida, todo padrão é a negação da individualidade o que é igualmente estúpido, moda é só um padrão descartável criado por alguém, a moda que faz bem é a que reflete nosso estado de espírito, a beleza não é tão somente aquilo que faz os olhos brilharem de alegria, os olhos não são as janelas da alma, mas a porta para os enganos que podem embrutecer a alma, nem sempre os olhos nos mostram as coisas tais como elas são, olhos tiranos, cafetões de ilusões, sem profundo sentir pouco enxergamos, apenas devoramos imagens que nem sempre são representações do  real, na maioria das vezes  padrões criados por corporações empresariais paras nos vender suas ilusões de bem estar e prazer, criam-se até padrões de gente  e se consome gente como extrato de tomate vendido em supermercado.
Karl Marx há muito escreveu: “tudo que é sólido se dissolve no ar", nós somos sólidos como qualquer borboleta de jardim que inocente só quer encontrar uma flor para pousar, feliz borboleta de jardim não teme o fim da tarde por isso parecem sempre felizes.
Quais são seus medos? Medo da velhice? Da morte? Da solidão que nos encarcera em nós mesmo? Como cantou Arnaldo Antunes em uma canção dos Titãs: “medo, medo, medo o que se crê não se cria”... Não se cria o medo que é tolo, tolo é o medo de coisas inevitáveis, nada é sobrenatural tudo que se é sempre foi e continuará sendo, eu e você somos parte do gênero humano, o gênero não passa, nós passamos, fica nossas marcas se forem mais espirituais que sólidas.
Seguir os caminhos desse verde viver, um pouquinho de medo e mais ou menos alegria neste pedacinho de Brasil quase esquecido pela pátria e por nosso senhor que parece que gosta mais de andar lá por São Paulo ou Rio de Janeiro que aqui, tão seco esse julho, tão calmo esse amor que não cruza a ponte em direção a coração algum, o silêncio aqui ao lado, a certeza do amor breve, a incerteza se depois de amanhã riso fácil, caminhos desse verde viver que não me nega o amor que se faz bem.



Postagens mais visitadas deste blog

“Eu vou tirar você deste lugar – As canções de Odair José”

A internet tem tirado do limbo muitos artistas que foram solenemente ignorados pela crítica e mídia ortodoxa ou pior, foram massacrados por uma estrutura midiática preconceituosa e elitista. Odair José foi um desses artistas que mesmo com uma importante obra foi deixado fora do que cretinamente chamam de MPB, essa sigla é a senha para que muitos artistas sejam desprezados e outros coroados como “gênios” e inquestionáveis. A internet nos faz olhar para o lado e ao olharmos para o lado encontramos um importante legado de inúmeros artistas, artistas que antes eram chamados de bregas, ou seja, inferiores culturalmente, politicamente, e não só isso, o público desses artistas também foi durante muitos anos marginalizados, tanto que muitas pessoas escondiam que gostavam deles. Curioso é que esse preconceito todo foi dogmatizado por gente supostamente progressista e defensores de causas nobres, gente que se diz sensível as nossas mais dolosas demandas sociais, mas aceitaram fazer parte da co…

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…