Pular para o conteúdo principal

Grita teu amor!!!!!!

Quando amamos, sentimos medo de coisas antes invisíveis para nós, quando amamos aquela dor na ponta do dedo direito nos aflige porque não queremos morrer logo agora que o amor finalmente aconteceu. Quando amamos e já somos quase quarentões, temos pressa para viver esse amor, quando amamos temos medo de sermos abandonados e pela primeira vez sentirmos toda verdade que tem a palavra: solidão. Quando amamos, notamos o quanto sermos tão somente quem somos não basta, queremos nos dividir para somarmos nossas vidas, quando amamos sentimos medo porque gostar é mistério, mas maior mistério que outra vida não há.
Quando amamos, os segundos que se fazem minutos têm a urgência do calor amigo que é o amor a nos convidar para o bem da vida, o bem da vida? Não é ao menos para mim nada que possa comprar com o dinheiro, nada que possa trocar, nada que tenha preço, nada que sirva de alegria supérflua aos olhos... A riqueza do amor é outra, a riqueza do amor é saber que o ser amado tem no coração: solidariedade, amizade, bondade, justiça, gratidão, cordialidade, sexo e orgasmos não egoístas... A alegria do amor é saber-se aconchegado no peito de quem amamos.
Quando amamos, sempre acreditamos ser o amor definitivo, aquele amor que não vive o tempo frio dos relógios, mas o tempo quente das emoções, quando amos, sentimos vontade de perdoar e pedir perdão, quando amamos nos é revelado tantas possibilidade de sermos para além de nós sem nos perdermos de quem somos.
Amar não é ciência, ninguém ama pessoa alguma com a mesma intensidade que é amado, amor é por excelência carente de si mesmo. Amor sem confiança é suicido, se a desconfiança ganha para afeição o amor há muito arrumou as malas e estamos nos auto-enganando, fazendo do eco sombrio do que uma dia foi amor sol de primavera.
Quando amamos, nos revelamos, o que machuca não é a palavra é o silêncio, quando amamos, apostamos no diálogo para que o amor não seja entusiasmo em fim de semana. Quando amamos, aprendemos que amar não é tão somente dias quentes de verão, temos nossos invernos, nossas quedas, fragilidades e se amamos saber reconhecer o quanto somos frágeis é carta de amor maduro, quem ama é do perdão, do pedido de desculpas, o amar saber-se forte, mas sabe-se também humano.
Quando amamos, arriscamos a perder quem amamos, por quê? Porque só há amor se também existir sinceridade e nem mesmo o amor tem lá muita paciência para verdades, por vezes prefere não enxergar o que de tão óbvio lhe parece impossível que exista de fato,mas se enxerga pode comprar um bilhete só de ida para longe de nós.
Quando amamos, só existe nós e a natureza, nós é a soma dos nossos  corações com o de quem amamos, a natureza é tudo que não for humano, o amor é egoísta não divide a pessoa amada e quem se divide não se ama tão pouco tem a capacidade de amar.
Quando amamos, gritamos para todo mundo que estamos felizes, quem não grita seu amor não o vive intensamente, o amor não cabe no peito, quem o sufoca o perde, o amor não é um clandestino em navio, quando amos, queremos dizer para todo mundo que entre milhões de pessoas uma nos tocou de verdade, quando amamos, somos o espelho desse amor, quem não se sente seguro para gritar seu amor não o ama como pensa que ama e talvez só descubra o quanto o ama justamente quando perdê-lo.
Quando amamos, estamos felizes com o amor, amor é alegria e nada que rima com dor pode ser amor, amar é se emocionar com quem amamos, é sexo bom o dia inteiro, e ri quando não achamos graça, quando amamos, nossa paz é a paz de fazer o outro feliz, nosso orgasmo é o orgasmo do outro, quando amamos somos parte e somos todos, quando amamos seguramos as barras pesadas juntos e não fugimos ao menor sinal de fuma que não seja do calor da cama em que nos canibalizamos, quando amamos, sentimos orgulho do amor pelo outro, quando amamos, esperamos do outro solidariedade,  só quem é solidário tem no coração a alegria de se permitir ser amado e amar profundamente.
http://ediney-santana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…