Pular para o conteúdo principal

Infinita alegria de estarmos vivos

Narcisa, moradora de rua
A mãe envelhece enquanto assiste à novela, meus nervos doem, não quero a mãe velha ao tempo que passa sobre tristes novelas, às vezes a vida parece tomada por verrugas e cacos de sonhos, cacos de sonhos é pior que nunca ter sonhado ou olhado para o céu. Me agonia  esse tempo em que verrugas riem da gente na TV, tudo parece andar lá fora, mas aqui dentro há aquela espera estúpida, esperar o? Vai o barquinho de papel leva a felicidade e eu como um bobo corro atrás, os peixinhos todos rindo de mim, olho para água e sou um palhaço que perdeu a graça.
Fecho os olhos e me imagino a dançar uma valsa no calor quente do bem que só existe quando estou de olhos fechados, algumas almas já nascem solitárias por mais que busquem o par da alegria de conviver: tudo se vai em barquinho de papel.
Fico pensando como terá sido a noite daquela senhora mendiga que dorme ao relento no mercado municipal. Faz muito frio, ela e os outros mendigos devem sofrer muito esses dias, se pudesse traria todos aqui para casa, lhes daria leite quente, biscoitos e roupas limpas. Às vezes penso que nasci para fazer a felicidade coletiva de pessoas que dormem pelas ruas, a felicidade individual nunca me foi amiga por muito tempo.
O nome da senhora mendiga é Narcisa, o seu nome é uma ironia para quem só se espelha no cinza da miséria, meu coração nordestino, nascido nos matos entre os bichos da natureza dói ao se espelhar nos olhos de dor de quem é tão invisível, de quem não sabe o que é compaixão.
Todos se dizem cristãos e tantas outras coisas que se dizem bons e altruístas, mas o mal nestes dias frios é quem aquece o coração de todos.
Narcisa já morreu, mas havia morrido sempre, talvez já tenha nascido morta, Narcisa nunca morreu, ela são tantos outros. Meu pai analfabeto das letras, mas alfabetizado em coração bom, se encantava com Narcisa, e por quê? Porque ela sabia ler, meu pai olhava aquela mulher farrapo, sentada na sujeira, lendo jornais velhos, ela sabia ler, ele não.Para meu pai esse era o mistério: como ela sabe ler e vive nas ruas? Para ele ler era a ponte para um vida, se não feliz, ao menos não sofrida. O sofrimento é tão somente o que é, a síntese de muitas dores, para o sofrer ter leitura( como dizia meu pai) ou não é irrelevante. 
Meu pai bom coração, era triste como eu sou, pena que não ter tido tempo de dizê-lo que saber ler também é uma maneira de ser mais triste, eu leio por debaixo das letras de quem escreve e percebo os sinais se algo de bom ou ruim  pode acontecer, tudo que é amanhã é dito hoje, às vezes até em delicadas frases, eu converso com as letras, têm vozes de cantor italiano do século XI lendo sonetos nunca escritos por mim que consolam minha vida.
Meu pai bom coração era alegre como eu sou, não era de religião, gostava de música: Trio Parada Dura, Paulo Sérgio e Sérgio Reis, o som vai tocando em minha cabeça, canto ao amor que tem coração quente e olhos ciganos, me abraça o frio da tarde, amo intensamente e sofro intensamente quando todo amor cai do terceiro andar e esmaga minhas asas de anjo barroco, contradição: carne e alma, amor e sentimento de perdas.
Mãe seremos felizes, dessas felicidades que nos rimos sem por que, mãe antes do inverno seremos felizes, seremos aquecidos pela infinita alegria de estarmos vivos.
Eu amo sempre 100 %...Não sei viver nada pela metade. Chove hoje no nordeste, eu sinto frio e beijo tua boca que só me aprece quando estou de olhos fechados...Deus salve minha alegria.


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…