Pular para o conteúdo principal

Licença Poética

Ediney Santana
A minha licença poética me permitir ser quem eu quiser, mas nunca ficar parecido com quem ou quê mais odeio. Gente presunçosa que ama pela metade e faz pacto com o diabo para ser aceito no castelo de Deus. Desses “inocentes” e defensores profissionais da vida quero distância, são como o diabo que tocou Jó com autorização divina, criminosos do espírito, abutres da carne... Cuidado minha gente, não é só do lado do mal que o diabo tem seus filhos.
Uma canção da Legião Urbana nos diz: “E tudo aquilo contra o que sempre lutam
É exatamente tudo aquilo o que eles são”. E a velha fome de vida me devora, quero ser a utopia possível, mas sem pacto com o mal.
Milton Santos disse parafraseando um velho dito popular: “dize-me onde estás e eu te direi quem és” e finalizou “o lugar onde estou ajudar me definir”. O meu lugar me define, vivo no nordeste, mais que isso, sou do nordeste. Ser nordestino é ser visto e olhado muitas vezes como alguém periférico, alma periférica.
Algumas pessoas nos olham como o mundo branco olha para África, são olhares coisificadores, olhar do estrangeiro sobre um povo que embora seja o mesmo povo é visto quase sempre pelo sul com povo periférico. Estudos indicam que o Jardim do Éden poderia ter existido de fato em algum lugar do continente africano (outros estudos indicam que pode ter ficado onde hoje é o Iraque) e que Adão e Eva eram negros, isso nos diz que de certa maneira somos todo um só povo, e, além disso, o útero primeiro da vida era negro.
Não há povo periférico porque todos nós somos o centro, seja lá qual for sua cor, religião ou lugar de nascimentos somos o centro, no entanto nos dividir tem haver com a ideia de poder e poder é subjugar outros povos e escravizá-los. Racismo ou xenofobia são ações de poder, olhar o outro como inferior, expropriá-lo de valor cultural, social e até econômico, destituí-lo até mesmo da sua condição de humano é tão somente estratégia de manutenção de poder, estratégia das mais pervenças que se têm notícias.
Então apago as luzes e começa a música: Hey, Thats No Way To Say Goobye me invade, as vozes de Judy Collins e Leonard Cohen são mantras e trazem paz aos dias inseguros por onde meu coração navega, o amor, solidão e o teu nome na ponta da minha língua ainda sente o gosto do beijo.
Queria te abraçar agora, há calor aqui, mesmo que tudo esteja frio lá fora, aqui aqueceria tua alegria, que a morte não me leve antes de amar profundamente teu corpo e chegar a tua alma, toca-la ao prazer desse gostar sereno como a voz de Leonard Cohen, eu sou o mundo e não coisifico nada.
Esse é o tempo da não memória, não esquecemos porque não tivemos nada para lembrar, simplesmente mastigamos dores e alegrias na mesma saliva, não engolimos, jogamos tudo no mesmo cesto de lixo da indiferença emocional, esse é o tempo em que nos tocamos, nos deliciamos com os toques, mas não nos sentimos.
No entanto, porém, todavia hoje é quarta-feira, quase ninguém lembra que hoje é quarta-feira, não é um dia famoso, a não ser que seja o dia do nosso aniversário ou o dia em que tudo que amamos atende pelo nome daquela criatura linda que chamamos de Meu Bem, então sorria e viva seu tempo bom com a licença poética possível... Beijinhos.


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…