Pular para o conteúdo principal

Pela noite a incerteza tem cor de estrelas

Em algum corredor de artéria encontra-se a nos esperar o sagrado que somos, a felicidade vem desse lugar dentro da gente, a paz da alma que é vela e barco... Aqui fora há traços dessa luz que aquece, mas não conforta; Eu existo na medida da autoridade que exerço sobre quem sou, à medida que sendo, projeto meu ser- pessoa para o espaço físico que habito.
Não há beleza em devotarmos crenças e esperanças em outras pessoas ou instituições, a beleza é nos tornamos lideres de quem somos sem o desejo de liderarmos ou sermos modelos para pessoa alguma, cada um de si ser senhor e autoridade pessoal , saber-se capaz de conviver com as próprias contradições. Do amargo fel a ilusão açucarada entender o que somos, porque somos e saber que podemos deixar de sermos.
Às vezes a vida parece empoeirada, no ar um cheiro de antiquário, olha-se o decadente da vida e sente-se parte dela, às vezes tem-se a sensação que se é a própria sonegação da felicidade. Muitos indicam caminhos, mas são apenas dedos, apenas censura.
Mais que dedos apontando cominhos, mais que censura e receita para condicionar emoções, da serenidade quer-se o abraço da alma com o corpo, da inteligência com ação, da paz com os olhos, da alegria com a beleza dos passos que mesmos sozinhos não desistem de andar.
Posso ser o criador mor da poeira que enfastia minha vida, posso ser também o que sabe-se livre para andar, se sabe-se o mal, sabe-se o bem, se sabe-se  o pesadelo, sabe-se também o sonho bom.
Arthur Schopenhauer escreveu: “Quão longa é a noite da eternidade comparada com o curto sonho da vida.” Essa frase pode causar horror se olhamos para o passado e só encontramos uma coleção de enganos e no tempo desse momento nos encontrarmos imóveis, mas ela também é conforto, porque nos chama para vida desse agora, nos diz  o quanto é breve o viver, e não se pode ser feliz amanhã, porque simplesmente não existe amanhã algum para vivermos ou acontecemos agora ou nunca.
O amor sempre foi uma questão cara para mim, por vezes doloroso, constrangedor, decepcionante, feliz, apaixonante, amigo, companheiro, cativante, torpe e solitário. Sim, solitário, o amor pode ser solitário, sobre o amor escreveu Schopenhauer: “O amor é o objetivo último de quase toda preocupação humana; é por isso que ele influencia nos assuntos mais relevantes”. Penso que pensar muito sobre essas coisas pode levar ao casulo, fazer do coração trincheira e neutralizar toda energia sexual e sentimental que se tem, pensar por ser também não viver.
Sei que todos têm duas porções de amor, a primeira é aquela dentro do coração de cada um, a segunda é a que compartilhamos, se encontramos essa porção que vive dentro dos nossos corações encontramos também a felicidade porque ela é o amor que sentimos por nós mesmos, se compartilhamos nosso amor somos triplamente felizes, primeiro porque nos amamos, segundo porque não somos egoístas e compartilhamos o melhor que temos, terceiro  porque somos amados por isso.
http://edineysantana2.blogspot.com
http://ediney-santana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…