Pular para o conteúdo principal

“Soy un hombre sincero”

Ediney Santana: Foto- André Santos
“Yo soy yn hombre sincero/De donde crece la palma/Y antes de morir quiero/Echar mis versos del alma/Guantamera, guajira Guantanamera/Con los pobres de la tierra/Que mis versos dejar/Porque el arroyo de la sierra/Me complace mucho mas que el mar/Mi verso es de un verde claro/Y de un carmín encendido/Mi verso es un ciervo herido/Que busca en el bosque amparo/Guantamera, guajira Guantanamera”. Esses versos são do poeta cubano José Martí, versos que ficaram conhecidos na canção Guatanamera, sempre gostei deles cantados em especial na voz da Celia Cruz.
Acontece neste momento, no Brasil, um movimento no mínimo curioso, médicos e entidades médicas estão promovendo uma série de debates e protestos contra o programa “Mais médicos” do governo federal, o alvo dos protestos são os médicos cubanos, embora médicos de outros países também façam parte do programa. Confesso que é uma surpresa para mim ver médicos fazendo protestos, algo tão surrealista quanto encontrar um hospital público funcionado bem.
Cuba vive um embargo comercial há anos liderado pelos Estados Unidos, a vida por lá não deve ser muito fácil, a democracia resume-se a família Castro, Cuba sempre foi um país enigmático, Os Estados Unidos lideraram cruzadas imperialistas contra muitos países comunistas, mas em seu quintal, um pequeno país zomba dele entre as baforadas de charutos do Fidel. A questão parece simples, o ódio contra os médicos de Cuba é tão somente pelas ligações políticas e ideológicas entre o governo cubano e o brasileiro, no fundo nossas entidades médicas estão poucos ligando se esses médicos estrangeiros são bem ou mal  formados, questionar a qualificação profissional desses médicos  é tão somente o argumento para fazer o enfrentamento ideológico ao governo, se esses médicos fossem dos Estados Unidos ou Inglaterra qual seria a crítica? Antes do programa "Mais médicos", desconheço ações ou protestos de médicos contra o governo ou condições de trabalho. Na luta ideológica- financeira que envolve o programa " Mais médicos", quem vence são as empresas farmacêuticas e  fábricas de caixões que enterram as vitimas do Estado brasileiro. 
1-      O Estado brasileiro é artificialmente incompetente, gerenciado não por políticos, mas por corporações empresarias, o Estado é um cafetão da cidadania nossa.
2-      Por trás do desmonte do SUS há grandes empresas farmacêuticas financiadoras de campanhas eleitorais e a corrupção generalizadas na gestão do dinheiro público, empresas farmacêuticas não tem como foco curar pessoa alguma e sim mantê-las na dependência de remédios, a terapia não é para curar e sim prescrição de remédios.
3-        Entidades sindicais ou de classe não sentem a dor do povo que agoniza em hospitais, sevem interesses privados em não de classe.
4-      Médicos são aliciados ainda quando estudantes por laboratórios e passam a prescrever sempre o mesmo tipo de medicamentos fabricados por determinados laboratórios.
5-      O governo não incentiva os tratamentos alternativos que em muitos casos podem ser mais eficientes que o tratamento químico.
6-       Não somos mais pacientes e sim clientes, nossas misérias é a mais- valia das empresas farmacêuticas 
7-      A universidade pública, assim como o governo, aplica o darwinismo social, um país em que ter um mestrado ou doutorado ainda é privilégio nos diz o quanto estamos sucateados na nossa própria razão cidadã.
8-      Muitos médicos não querem trabalhar no interior do país, acham que cuidar dos pobres, longe dos grandes centros, ou trabalhar na periferia das grandes cidades traz desprestigio, mas o grande argumento para isso e a falta de condição para o trabalho, o governo sabe disso e mesmo tendo condições de aparelhar todos os centros médicos do país, do maior ao mais modesto não o faz, prefere fazer quebra de braços com médicos, e ambos dão as costas para o povo pobre que morrer não de doenças, mas por falta de tratamento.
9-      Planos de saúde são os mais interessados no desmoronamento do SUS, grandes negociantes das nossas misérias, câncer financeiro do sistema de saúde do país.
10-   É bom rezar, como nossas avós faziam, porque o protesto dos médicos não é por mim e nem para você, é bom rezar porque o programa “Mais médicos” não é para mim e nem para você. A saúde nossa de cada dia não é a pauta nem de quem deveria nos curar, nem de quem deveria oferecer condições para isso.
Hoje vi na TV médicos cubanos sendo hostilizados, fiquei triste, porque esses profissionais não tem nada haver  com a falta de verdade humana do governo brasileiro, fiquei triste quando vi médicos enfurecidos e com ódio no olhar, a ideia que se tem é que médicos tenham a alma leve e o coração suave como a cor dos jalecos que usam.
Voltei para casa e ouvir “Guantamera”. “Yo soy yn hombre sincero/De donde crece la palma/Y antes de morir quiero/Echar mis versos del alma/ Con los pobres de la tierra/Que mis versos dejar/Porque el arroyo de la sierra/Me complace mucho mas que el mar”. Enquanto a morte não me separar de mim eu vou sendo um homem sincero. Amor, paz e saúde em qualquer língua, em especial na língua do amor.


 
 
 

 

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…