Pular para o conteúdo principal

Apócrifas razões

Manifestações em todo país contra a estrutura criminosa que controla o Brasil há anos é um sopro de cidadania que bem poderia e pode se tornar uma furação e derrubar alguns dos pilares mais sólidos dessas organizações criminosas, mas há um problema nestas manifestações: a falta de novos agentes políticos. O discurso deveria ser contra tão somente a estrutura criminosa que controla parte significativa da política partidária deste país, mas é um erro movimentos apolíticos, sem novas lideranças comprometidas com as mudanças que são gritadas nas ruas. Todos esses movimentos podem acabar silenciados pela própria democracia brasileira, como sabemos é pelo voto que escolhemos nossos representantes e sem a participação política partidária ou  ausência dela por parte de quem quer mudanças só fortalece quem está no poder, quem tem o controle da máquina pública. 
Os asseclas políticos sabem muito bem que movimentos apócrifos não promovem mudanças significativas, porque não chegam com força nas urnas. Voto nulo ou branco é tudo que esses asseclas mais querem que esses movimentos continuem gritando pelas ruas.  Partidos criminosos controlam parte significativa do eleitorado brasileiro e esse eleitorado é suficiente para garantir a reeleição de todos aqueles que pelas ruas movimentos contra a corrupção e outros crimes dizem “não nos representar”.
É preciso alternativas eletivas, pessoas que surjam desses movimentos, que se candidatem sem o apoio das narco- empreiteiras ou do parasitismo da narco- política, sem isso não vamos avançar muito, só provaremos para nós mesmos que há uma parcela importante da sociedade que prefere esse gigante adormecido, porque é neste dormir que a injustiça prevalece e muita gente ganha com isso, e não são só políticos, o tecido criminoso cobre muitas outras pessoas e todas de alguma maneira levam vantagem com o girante que dorme.
Outro ponto importante é ser menos genérico nas reivindicações, gritar contra a corrupção pouco faz abalar as estrutura da máquina criminosa que gesta quase todas ações dos governos, é preciso propor mudanças objetivas, mudanças estruturais como reforma politica urgente: financiamento público de campanha, mudança profunda no código penal, nas leis partidárias (como fim da reeleição) ,limitar por lei federal o uso de propaganda do governo, fim do voto obrigatório, tornar crime hediondo compra e venda de voto, acabar com contratos temporários no serviço admirativo público, obrigatoriedade de todo político ou quem estiver em cargo comissionado a usar serviço público: hospitais, escolas, transporte, fim de carro oficial, chamar a responsabilidade não só políticos, mas também o cidadão .
Mudar o código penal para que puna severamente qualquer cidadão que cometa crimes contra o país, contra a economia, por exemplo, empresários que fraudem o imposto de renda ser presos em regime fechado sem direito a redução de pena, crimes de trânsito por bebida ou excesso de velocidade ser punidos com penas duras como a proibição perpétua de dirigir e pena de reclusão em regime fechado.
Limitar por lei o número de ministérios, estatização de empresa que sejam pegas cometendo crimes contra a economia ou sangrando o dinheiro público, limitar o número de recursos jurídicos em apenas dois, um federal ou estadual, penas duras para servidores públicos que cometam qualquer ato de improbidade, mudança radical no código pena que preveja trabalhos forçados e prisão perpétua para traficantes de drogas, armas, pessoas e órgãos.
Todas as ideias que acabei de citar não são originais minhas, estão por aí soltas, no meio desses movimentos há advogados, juristas que podem sim sistematizar todas elas e propor como mudança concreta ao congresso. Não é só mudando políticos que vamos mudar o país, é preciso mudar o sistema, é nele que o crime se nutre.    
Sem pauta, sem lideranças, sem nomes para votarmos e enfrentar os mesmos políticos de sempre, poucos podemos fazer, nossos gritos morrerão nas ruas, será cada vez menor a participação do povo nas ruas, a propaganda do governo vai nos transforar todos em vândalos, todo mundo sabe que a Dilma  é candidata a reeleição, mas até agora essas vozes das ruas não têm em quem votar e sem ter em quem votar fortalece a Dilma que faz campanha para reeleição abertamente usando nosso dinheiro .
Reafirmo que é um erro movimentos sem objetividade política, sem pessoas do bem atuando na estrutura politica, que queriam propor e realizar reformas concretas pouco vamos conseguir mudar algo neste país, o único caminho para isso é assumir a face política- partidária do movimento, fora isso estamos enxugando gelo, porque se tudo continuar como vai, o ano que vem quando as urnas forem abertas serão os mesmos de sempre governando o mesmo povo de sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…